Imprensa internacional repercute maior desmatamento na Amazônia em 15 anos

Dados que apontam uma alta de 22% no desmatamento entre 2020 e 2021 são de antes do início da COP26 (a Conferência do Clima da ONU), mas só foram revelados após o evento

Imprensa internacional repercute maior desmatamento na Amazônia em 15 anos
(Crédito: Mario Tama/Getty Images)

A imprensa internacional destacou os dados oficiais do Brasil de que a Amazônia teve o maior desmatamento desde 2006 e que os dados são de antes da COP26, a Cúpula do Clima da ONU.

Publicidade

Foram desmatados 13.235 km² de floresta entre agosto de 2020 e julho de 2021, segundo números do governo federal divulgados na quinta-feira (18) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Os dados que apontam uma alta de 22% no desmatamento entre 2020 e 2021 são de 27 de outubro, de antes do início da COP26 (a Cúpula do Clima da ONU), mas só foram revelados após o evento, segundo G1.

‘The Guardian’ (Reino Unido)

O jornal britânico “The Guardian” diz que o relatório anual do próprio governo brasileiro “mina as garantias do presidente Jair Bolsonaro de que o país está restringindo a extração ilegal de madeira”.

O jornal destaca que a área desmatada na Amazônia é “quase 17 vezes o tamanho da cidade de Nova York”, e que “a destruição vem apesar dos esforços de Bolsonaro para mostrar que seu governo leva a sério a proteção da Amazônia”.

Publicidade

‘Le Monde’ (França)

O jornal francês “Le Monde” afirmou que “o desmatamento da Amazônia está se acelerando ainda mais” no Brasil.” ”A maior floresta tropical do mundo continua encolhendo, apesar das promessas feitas pelo governo de Jair Bolsonaro na COP26″.

‘El País’ (Espanha)

O jornal espanhol “El País” diz que a política adotada pelo governo Bolsonaro consiste em enfraquecer a vigilância na floresta, substituindo ambientalistas por militares nos órgãos encarregados da proteção do meio ambiente e lembra a promessa do presidente brasileiro de não demarcar terras indígenas.

“O Brasil passou de aluno exemplar a vilão ambiental em poucos anos”, diz o texto. “O governo Bolsonaro insiste em proclamar que não vai tolerar atividades ilegais na Amazônia, mas basta ir até lá para ser testemunha da velocidade em que avança o desmatamento, a ocupação de terras para a criação de gado e as invasões de mineiros em reservas indígenas”.

Publicidade

Nas redes sociais aqui no Brasil o tema também virou assunto, confira

A jornalista Giovana Girardi disse: ”URGENTE: Desmatamento da Amazônia entre agosto de 2020 e julho de 2021 foi de 13.235 km2. O dado do sistema Prodes, do Inpe, acabou de ser divulgado pelo Ministério de Ciência e Tecnologia. Esse valor é 21,97% superior ao desmatado nos 12 meses anteriores! Siga o fio”