Fórum Econômico Mundial

Em Davos, Paulo Guedes afirma que agenda de transformações continua no Brasil

Na edição deste ano do Fórum Mundial, o Brasil é um dos quatro países, ou regiões, que têm painéis de discussão exclusivos. O evento, que reúne mais de 2 mil líderes de países e especialistas, termina na quinta-feira (26).

em-davos-paulo-guedes-afirma-que-agenda-de-transformacoes-continua-no-brasil
(Crédito: Andressa Anholete/Getty Images)

Em seu segundo dia no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, o ministro da Economia, Paulo Guedes, participou nessa terça-feira (24) de um painel sobre a retomada econômica dos países ante dos desafios da atual conjuntura internacional.

Publicidade

Em sua participação, Guedes disse que o Brasil vai continuar com a agenda de transformações, por meio da digitalização dos serviços, modernização dos marcos regulatórios, privatização de ativos estatais e atração de investimentos estrangeiros.

Guedes também participou de diversas reuniões bilaterais com executivos de empresas multinacionais, entre os quais, Van Acker, diretor executivo de Emergentes da Merck, empresa alemã da indústria química, farmacêutica e de ciências biológicas, e Michael Evans, presidente da Alibaba, grupo sediado na China que atua no comércio eletrônico.

Além disso, em almoço com investidores, o ministro brasileiro falou sobre a agenda de reformas econômicas promovida nos últimos anos no Brasil e sobre oportunidades de investimento no país, em especial, nos setores de energias renováveis, educação e saúde.

De acordo com o Ministério da Economia, Guedes lembrou que os resultados fiscais têm sido positivos, apesar de conjuntura desafiadora, e observou que o fluxo de comércio externo mantém trajetória ascendente.

Publicidade

Ontem (23) Guedes participou de um encontro bilateral com o copresidente da gestora de investimentos General Atlantic, Martín Escobari, e de um jantar do banco BTG. Antes, o ministro teve agenda com a ministra da Economia da Ucrânia, Yulia Svyrydenko.

Na ocasião, Guedes reafirmou a “condenação das hostilidades” e também falou sobre o compromisso do Brasil com a retomada de negociações pacíficas entre o país e a Rússia.

Na edição deste ano do Fórum Mundial, o Brasil é um dos quatro países, ou regiões, que têm painéis de discussão exclusivos. O evento, que reúne mais de 2 mil líderes de países e especialistas, termina na quinta-feira (26).

Publicidade

(Agência Brasil)