Heineken interrompe produção e venda na Rússia

Empresa tem cerca de 1.800 funcionários no país.

Heineken-deixa-rússia
Foto: Reprodução/LinkedIn

A cervejaria holandesa Heineken anunciou nesta quarta-feira (9) que vai interromper a produção e a venda da cerveja sob a marca Heineken na Rússia. A informação é da marca, no LinkedIn e da empresa e da agência russa TASS.

Publicidade

De acordo com o comunicado, a Heineken também não aceitará mais nenhum benefício financeiro líquido derivado das operações na Rússia

“A Heineken vai interromper a produção, publicidade e venda da marca Heineken na Rússia. Tomaremos medidas imediatas para isolar nossos negócios russos da Heineken Company para interromper o fluxo de dinheiro, royalties e dividendos para fora da Rússia”. 

Até segunda ordem, todas as instalações, divisões operacionais e comerciais da empresa no território russo continuarão funcionando, acrescentou a empresa.

A empresa aumentou a lista de boicotes à Rússia por causa da invasão na Ucrânia. Ontem, a Coca-Coca tomou a mesma medida. A Starbucks e o McDonald’s também anunciaram a suspensão das operações no território russo.

Publicidade

Além das críticas dos consumidores contra a guerra, operar no mercado russo ficou difícil depois das sanções econômicas de vários países que visam inviabilizar o máximo de transações financeiras internacionais com os russos. Empresas também têm dificuldade de fazer o transporte de mercadorias, pois as companhias de seguro não querem cobrir eventuais danos aos navios. Assim, o transporte marítimo para levar ou trazer mercadorias da Rússia está praticamente paralisado. 

Entenda a invasão da Rússia à Ucrânia

O presidente Vladimir Putin ordenou uma invasão na Ucrânia, na quinta-feira, dia 24 de fevereiro. O exército russo faz ofensivas por terra, ar e mar contra pontos estratégicos ucranianos, incluindo a capital Kiev e Kharkiv, segunda maior cidade do país. 

Publicidade

Militares russos também conquistam terreno no sul da Ucrânia. Pelo menos uma cidade portuária, Kherson, já foi tomada por eles. 

Um dos fatores que desencadeou o conflito foi a possibilidade da Ucrânia entrar na OTAN, aliança militar do Ocidente. Uma das demandas da Rússia nas negociações sobre a guerra é que a Ucrânia se comprometa a nunca entrar na OTAN e na União Europeia. Moscou também exige que Kiev reconheça a independência das regiões separatistas de Donetsk e Luhansk, no leste ucraniano, e que a Crimeia faz parte da Rússia.

Putin argumenta que está realizando uma “operação especial” para proteger os russos que vivem em território ucraniano.

Publicidade