Preço de revenda da soja marca recorde histórico no Brasil em 2022

Aumento expressivo no preço está relacionado com às questões climáticas no Sul do país

ibge-estima-safra-recorde-de-263-milhoes-de-toneladas-em-2022
(Créditos: Scott Olson/Getty Images)

O Brasil atingiu um recorde que antes nunca foi visto com a revenda de soja. O valor em média da saca do produto no país chegou a R$ 180,12 nos primeiros dias de fevereiro, se comparado com janeiro, houve uma variação semanal de 5%.

Publicidade

No relatório, constam os dados da consultoria Safras & Mercado que nesta terça-feira (8) foram divulgados. Este levantamento mostra que o custo médio do grão, em dezembro do ano passado, era de R$ 161,67.

Os especialista dizem que, o aumento ‘expressivo’ no preço das últimas semanas está relacionado com às questões climáticas do Sul do país. Meteorologistas disseram à CNN, que a região está vivendo em 70 anos a maior seca já vista.

“É uma combinação de fatores que há muito tempo não se via para que se causasse essa terrível seca, com quebras em lavouras de soja, por exemplo, começando a afetar agora a população urbana”, afirmou o agrometeorologista Marco Antônio dos Santos.

Dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) corroboram o cenário. O boletim mais recente que foi divulgado, mostram que a grande quantidade de chuvas nos estados do Sul do Brasil, em fevereiro, deve ser 62% menor que a média histórica da região par ao período.

Publicidade

A menor colheita do produto e a escassez hídrica, já está começando a afetar os brasileiros. Luiz Fernando, especialista do Safras & Mercado, explica que o farelo da soja é largamente utilizado como base de proteína para ração animal, o que faz impactar diretamente no custo da carne vermelha, suína e das aves.

“O farelo de soja é a base proteica para toda a ração animal no Brasil. Portanto, o preço de toda carne de frango, suína, e de boi no país está interligado diretamente com o custo da soja. E o aumento do preço do insumo, por causa da menor produção nas últimas semanas, é repassado para o valor proteínas brasileiras e, finalmente sendo repassado para o consumidor final. Resumindo, a carne está muito cara também por causa da soja”, disse Luiz Fernando.