Opinião

A vida depois do massacre em Bucha

*Por Yurii Andrukhovych – Jornalista, poeta, tradutor e romancista ucraniano.

A vida depois do massacre em Bucha
Bucha, Ucrânia (Crédito: John Moore/ Getty Images)

“O maravilhoso e talentoso povo alemão, a nação de pensadores e poetas que deram cultura global a Lutero e Goethe, Nietzsche e Wagner, Kant e Hegel, não devem ser acusados ​​dos atos desumanos cometidos por Hitler e seu círculo mais próximo e responsabilidade por Auschwitz, Majdanek, Buchenwald, Dachau ou outras atrocidades que fizeram parte do Holocausto. Nem por varrer Varsóvia da face da Terra, nem pelas dezenas e centenas de outras cidades e vilas destruídas em toda a Europa. Somente um propagandista vulgar possuído pela germanofobia exigiria agora a rejeição de tudo o que é alemão e a responsabilidade coletiva dos alemães. Ataques francamente agressivos à grandeza da cultura alemã e pedidos por sua exclusão parcial e bloqueio não são nada mais do que uma bárbara estreiteza mental e a manifestação de uma visão de mundo primitiva em preto e branco. O povo alemão sofreu nas mãos de Hitler e sua camarilha não menos do que qualquer outra nação no mundo, e neste momento terrivelmente difícil de sua história eles precisam, como qualquer outra nação, de nosso apoio e solidariedade”.

Publicidade

Não consigo imaginar um texto como este datado, digamos, de 1945. É absurdo? Sim. É perigoso? Em efeito.

Não conheço ninguém que tenha ousado fazer publicamente um pronunciamento como este, nem em 1945 nem nos anos seguintes. Então, por que estamos ouvindo agora, em 2022, declarações generalizadas semelhantes?

A tragédia dos ucranianos agora se reduz à hashtag “#BuchaMassacre”. É prático e localiza um grande crime em uma única cidade. Como na verdade muitos mais Buchas foram descobertos em nosso país, e mais serão descobertos à medida que mais territórios forem liberados pelo exército ucraniano, isso requer uma explicação separada.

Caso de Bucha não é isolado, embora hoje seja o mais revelador

Que Bucha (e todas as outras cidades como ela) não é uma exceção infeliz, nem um “zelo excessivo de um artista”, ou uma histeria de “meninos russos comuns” levados por sua própria guerra a um beco sem saída. Mas uma execução planejada e metódica do exército russo de um programa estatal cuja essência é, em parte, escravizar e principalmente eliminar fisicamente os ucranianos.

Publicidade

Não devemos existir. Uma nação europeia de quarenta milhões não deveria existir. Nossa língua não deveria existir. Nossa memória também não deveria existir. Eles estão nos “desnazificando”, até o último ucraniano. Eles estão nos “desucranizando”, tirando nossas vidas.

Quando semanas atrás um oficial russo prometeu nas negociações de Istambul “uma diminuição radical na atividade na área de Kiev, ninguém neste mundo poderia adivinhar que “atividade” ele queria dizer. Pensamos no movimento banal de veículos blindados, no disparo de foguetes, nos ataques aéreos. Estou usando a palavra “banal” aqui porque em quarenta dias de guerra a maioria das pessoas se acostuma e para de se encolher a cada novo som de uma sirene.

Mas palavra “atividade” para os russos significa outra coisa. Como nos primeiros dias desta guerra, como de fato em todas as outras guerras que travou, o exército russo é mais vitorioso quando luta contra cidadãos pacíficos. Em outras palavras, os militares russos são uma organização terrorista nacional altamente desenvolvida, com centenas de milhares de membros, caracterizada não apenas por extrema crueldade, mas também por um sadismo excepcional. A Rússia é um país terrorista. Sua finalidade é semear tristeza, dor e morte. “A Rússia tem seu próprio caminho especial”, como eles gostam de dizer.

Publicidade

E aqui estão exemplos de suas atividades.

  • Atire em espectadores aleatórios. A todos.
  • Atire em carros em que pessoas comuns e pacíficas estão tentando fugir da morte.
  • Atire em todos os passageiros desses carros: crianças, mulheres.
  • Destrua todas as criaturas vivas, incluindo animais domésticos, com fogo e metal.
  • Jogue bombas na cabeça das pessoas, bombas de fragmentação, bombas de fósforo e todas as outras bombas proibidas. Jogue-os em hospitais, teatros, museus, bibliotecas, jardins de infância.

Tortura em massa e execuções com uma bala no pescoço

Nossos ancestrais nas terras ucranianas ocidentais já haviam experimentado esse método de execução em 1939-1941. Balas na parte de trás da cabeça das vítimas que se ajoelham com as mãos amarradas – este era um procedimento normal em todas as prisões bolcheviques russas em nossa terra. Desculpe a palavra “normal”. Seria mais correto dizer “rotina”.

Violações em massa. De mulheres e crianças. Explosão em massa de instintos malignos arcaicos: matar o marido, estuprar a esposa. Faça os dois na frente das crianças.

Publicidade

(Sr. Dostoiévski, o que diabos você escreveu sobre aquela gota de lágrimas de uma criança? Você ajudou seus colegas russos?)

Deportações em massa de cidadãos ucranianos dos territórios ocupados para a Rússia. Tudo é reconfirmado e repetido: os terroristas não podem evitar fazer reféns.

Saque. Roubos. Soldados russos invadem metodicamente casas ucranianas, tanto prédios de apartamentos de vários andares quanto casas unifamiliares. Em todos os lados. Eles pegam tudo o que veem: roupas, sapatos, álcool, joias, perfumes, computadores, smartphones, facas, garfos. Atrás deles, deixam nessas residências apenas restos do mundo que destruíram e pilhas de seus próprios excrementos. Como um lembrete da grandeza da cultura russa.

Publicidade

Esta manhã eu me peguei pensando: eu gostaria que eles fossem “apenas” saqueadores. Isso significaria que eles, apesar de tudo, ainda eram humanos. Mau e perverso, mas humano, afinal.

No entanto, tudo o que vemos atesta a desumanização. A população da Rússia foi desumanizada com sucesso. Este é um antimundo. Esta é uma parte da humanidade que voluntariamente passou para a anti-humanidade.

No mesmo dia em que os últimos russos deixaram Bucha, e estavam cometendo os últimos episódios sangrentos do “#BuchaMassacre”, os líderes das facções do Parlamento Europeu produziram outro discurso dirigido ao “povo da Rússia”. Sobre seu desejo fervoroso de unidade com eles. Sobre a grande cultura russa. Em Tchekhov e Bulgakov. Sobre Tolstói e Dostoiévski, como eles poderiam evitar esse monstro de duas cabeças? Sobre “valores compartilhados”, de Dublin a, claro, Vladivostok. Por alguma razão, não para as Ilhas Curilas.

Como você pode apelar para algo que não está lá? Caros líderes do caucus, vocês têm cabeça nos ombros? Que você não tem um coração eu já sabia antes.

Eu costumava pensar que eles eram idiotas. Eu parei de pensar nisso. Eles são cúmplices. Eles estão preocupados com uma coisa: como encobrir o crime. Como expressar ofensa à obviedade do “#BuchaMassacre”, mas de forma que sua ofensa não ofenda a Rússia. Como encontrar outra maneira de minar secretamente a resistência ucraniana.

Mas a resistência já dura mais de cinquenta, e a impotência do inimigo está constantemente se transformando em agonia.

A primavera chegará aqui, e a Ucrânia também.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.