Depois da Megaexplosão

Dois galpões do porto de Beirute, no Líbano, desabam; veja o vídeo

Em 2020, há exatos dois anos, uma megaexplosão em um galpão que guardava nitrato de amônio deixou cerca de 215 mortos, mais de seis mil feridos na cidade.

Dois galpões do porto de Beirute, no Líbano, desabam; veja o vídeo
Muitas da estruturas do porto de Beirute (foto) foram demolidas para evitar acidente (Crédito: Daniel Carde/Getty Images)

Dois galpões que guardavam grãos desabaram no porto de Beirute, no Líbano, nesta quinta-feira (4). Os desabamentos foram causados por conta da forte onda de calor, que fez os grãos fermentarem e provocarem um incêndio, afetando as estruturas das construções. No último domingo (31), um outro galpão já havia desmoronado.

Publicidade

Em 2020, há exatos dois anos, uma megaexplosão em um galpão que guardava nitrato de amônio deixou cerca de 215 mortos, mais de seis mil feridos e afetou severamente as estruturas do porto de Beirute. Além dos estragos materiais, a explosão gerou uma forte crise política e econômica na cidade.

O incêndio já acontece há algumas semanas e os bombeiros ainda não conseguiram apagar todas as chamas. Alguns outros galpões, que medem 48 metros, estão com as estruturas comprometidas e os Ministérios de Saúde e Meio Ambiente do Líbano recomendam que os moradores de áreas próximas deixem suas casas ventiladas. As autoridades locais pedem cuidado à população, pois disseram que as estruturas que restam podem colapsar a qualquer momento.

Sobre a megaexplosão, a ONG Human Rights Watch descreveu, em 126 páginas, a negligência de políticos na gestão do armazenamento de produtos perigosos no porto:

Publicidade

“Os responsáveis libaneses sabiam o risco que representava o nitrato de amônio. Ao não adotarem nenhuma medida para proteger a população, eles aceitaram tacitamente esse risco”, declarou Aya Majzoub, uma das redatoras do relatório.

 

Publicidade