Nas Ruas

Iranianas queimam hijabs em protesto à morte de jovem por mau uso de véu

Os manifestantes, formados por grupos de homens e de mulheres, bloquearam ruas, atiraram pedras na polícia e incendiaram viaturas policias e latas de lixo.

Iranianas queimam hijabs em protesto à morte de jovem por mau uso de véu
Os protestos já duram cinco dias e somam vários feridos (Crédito: Stephanie Keith/Getty Images)

Os protestos pela morte de Mahsa Amini, jovem de 22 anos morta sob custódia da polícia do Irã por mau uso de véu, continuam. As iranianas estão unidas e protestam queimando os seus hijabs por todo o país, incluindo a capital Teerã.

Publicidade

Segundo a imprensa local, a revolta popular começou na última sexta-feira (16), quando as autoridades anunciaram a morte da jovem Mahsa. Na noite desta terça-feira (20), quinto dia de protestos nas ruas, manifestantes entraram em confronto com a polícia, que usou gás lacrimogêneo para dissipar multidões de até mil pessoas, como informado pela agência estatal IRNA.

Publicidade

Os manifestantes, formados por grupos de homens e de mulheres, bloquearam ruas, atiraram pedras na polícia, incendiaram viaturas policias e latas de lixo, como também gritaram palavras de ordem contra o atual governo do presidente Ebrahim Raisi, chamado de “ditador”.

A Organização Hengaw para os Direitos Humanos, registrada na Noruega e que monitora violações de direitos no Irã, afirmou que ao menos 75 pessoas ficaram feridas nos confrontos com a polícia nas regiões curdas do país.

Um assessor do líder supremo do Irã, Ali Khamenei, prometeu uma “investigação completa” sobre a morte de Mahsa Amini durante uma reunião com sua família na segunda-feira (19). Segundo as autoridades, Amini teria sofrido um “ataque cardíaco” depois de ser presa por mau uso de véu. Para as iranianas o uso dos hijabs é obrigatório.

Publicidade

 

 

 

Publicidade