Japão busca homens para o emprego de príncipes

Em busca de uma solução para a escassez de herdeiros, os conservadores no governo acham que o melhor será rastrear os descendentes dos antigos imperadores, “adotá-los” e dar-lhes o título de príncipes

Japão busca homens para o emprego de príncipes
A família imperial – hoje liderada pelo imperador Naruhito, que não tem filhos homens – enfrenta o perigo de ficar sem herdeiros (Crédito: Imperial Household Agency/Getty Images)

Em um país onde o número de nascimentos está diminuindo a cada ano, a família imperial do Japão é um exemplo tácito da crise demográfica do Império do Sol Nascente, com apenas um filho do sexo masculino nascido nos últimos 55 anos, e agora viu a necessidade em buscar homens para o emprego de príncipes.

Publicidade

Em busca de uma solução para essa preocupante falta de herdeiros do Trono do Crisântemo, os conservadores no governo acham que é melhor rastrear os descendentes de ex-imperadores, “adotá-los” e dar-lhes o título de príncipes imperiais.

Até o início do século 20, os imperadores japoneses podiam ter uma esposa oficial (a imperatriz) e várias concubinas, todas descendentes de famílias nobres, que eram autorizadas a ter filhos do imperador para acomodá-las sucessivamente.

O Imperador Ichijo decretou no século X que seus sucessores pudessem ter duas imperatrizes simultaneamente para que o clã imperial tivesse um maior número de descendentes.

Os recentes imperadores Kokaku (1817-1846), Komei (1846-1867), Meiji (1867-1912), Taisho (1912-1926) e Hirohito (1926-1989) eram filhos de concubinas e, de acordo com a Casa Imperial, metade dos 125 imperadores que eram filhos dessas mulheres.

Publicidade

Mas, uma vez que o sistema de concubinas imperiais foi abolido, o número de nascimentos da família imperial começou a diminuir de forma alarmante.

Desse modo, a família imperial – hoje liderada pelo imperador Naruhito, que não tem filhos homens – enfrenta o perigo de ficar sem herdeiros, devido à escassez de príncipes idôneos para suceder ao trono.

Sucessivos governos japoneses não demonstraram interesse em resolver a crise dos herdeiros, embora a situação tenha começado a preocupar quando o Imperador Akihito abdicou, em 2019. E se não for encontrada uma solução logo, que é considerada a monarquia mais antiga do mundo, de origens mitológicas em 2.600 aC, pode desaparecer nas próximas décadas.

Publicidade

O sucessor, Naruhito, tem apenas uma filha de 20 anos, a princesa Aiko, e três herdeiros: um irmão, o príncipe herdeiro Akishino, um sobrinho, o príncipe Hisahito, de 15 anos, e um tio de 80 anos que tem problemas saúde e nunca teve filhos com sua esposa.

Busca por descendentes de imperadores para aumentar a família imperial

Um grupo de especialistas, com tendências conservadoras, foi convocado pelo governo em 2020 para encontrar uma solução para o dilema da sucessão, mas as duas propostas lançadas, segundo alguns especialistas, são muito desatualizadas.

Uma delas é permitir que as mulheres reais mantenham seu título e deveres públicos quando se casarem fora da família. De acordo com uma lei de 1947, todas as princesas devem deixar o palácio e seu título de casamento, e esse foi o caso da princesa Mako (sobrinha do imperador), que após seu casamento em outubro vive como uma mulher comum nos Estados Unidos.

Publicidade

A segunda proposta, mais controversa, é permitir que japoneses descendentes de 11 antigos ramos da família imperial – cujos títulos foram abolidos nas reformas pós-Segunda Guerra Mundial – sejam adotados por membros da família governante.

De acordo com essa ideia, que parece ser a que mais tem apoio do governo, os descendentes dos antigos príncipes Kuni, Kitashirakawa, Kaya, Asaka, Higashikuniy Takeda e seis outras famílias de ex-imperadores poderiam aumentar tanto a linha de sucessão quanto a lista de pessoas que realizam atividades oficiais.

“O plano significaria que os descendentes de agora plebeus que deixaram a Família Imperial há mais de 70 anos se tornariam membros da família”, disse o jornal The Japan Times em um editorial no qual notou que essa ideia “conservadora” de o Partido Liberal Democrático levanta “dúvidas sobre se conseguiria aceitação pública”.

Publicidade

A família imperial atualmente é composta por 17 membros, mas alguns são velhos demais para exercer funções oficiais. Além disso, o imperador aposentado Akihito e sua esposa não cumpriram funções públicas desde que se aposentaram.

Casar e ter filhos: um príncipe de 15 anos sob extrema pressão

O comitê consultivo recomendou preservar as regras atuais sobre a linhagem masculina pelo menos até o Príncipe Hisahito assumir como imperador, duas gerações depois. Dessa forma, o jovem – nascido em 2006 e único homem de sua geração – estará sujeito a imensa pressão para se casar e ter filhos homens que garantam a sobrevivência da linhagem.

“Deve-se pensar em encontrar uma maneira de aliviar o estresse psicológico dos membros da família imperial em relação ao casamento e nascimentos”, afirmou Hajime Sebata, professor associado de história política japonesa moderna na Universidade Ryukoku em Kyoto, especialista em assuntos relacionados à a família imperial.

“Não devemos esquecer que o sistema da Família Imperial que serve de base ao Japão é mantido por pessoas reais. É preciso criar um ambiente que alivia a carga mental dos membros da Família Imperial ”, escreveu o jornal citado.

Essas ideias “não são baseadas no atual sistema familiar do Japão ou em ideais sobre igualdade de gênero”, disse Makoto Okawa, professor de história da Universidade Tokyo Chuo e pesquisador do sistema imperial japonês.

“Acho que o público está se perguntando o que há de errado com a Princesa Aiko acessando o trono.”

Hideya Kawanishi, professor associado de história do Japão na Universidade de Nagoya, advertiu que as propostas do comitê de especialistas “não resolverão o problema subjacente”, já que algumas mulheres casadas não vão querer viver com as restrições da vida imperial, enquanto a adoção de parentes do sexo masculino que cresceram como cidadãos comuns será difícil.

Os políticos de hoje estão “com medo de mudar o sistema” durante o mandato, de acordo com Kawanishi, porque temem a reação dos eleitores da maioria conservadora. Mas depois da atenção que o casamento da princesa Mako gerou, o debate pode se abrir “se o público se interessar pelo assunto e pressionar para realizá-lo”, afirmou o acadêmico.

ds

*Por Darío Silva D’Andrea – Editor de breaking news na Perfil e autor do monarquias.com.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.