Conflito Rússia x Ucrânia

Presidente da Ucrânia participa de reunião do G7 neste domingo

Na noite deste domingo (8), o chanceler alemão fará um discurso televisionado à nação alemã.

presidente-da-ucrania-participa-de-reuniao-do-g7-neste-domingo
Volodymyr Zelensky, presidente da Ucrânia (Créditos: Hannibal Hanschke/Getty Images)

Os líderes do G7 realizam neste domingo (8) uma reunião por videoconferência com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. A porta-voz do governo alemão, Christiane Hoffman divulgou o encontro nesta sexta-feira (6).

Publicidade

“O chanceler alemão, Olaf Scholz, realizará a terceira videoconferência desde o início do ano com seus parceiros do G7”, disse Hoffman em uma coletiva de imprensa em Berlim, capital da Alemanha.

Segundo a CNN, a porta-voz ainda continuou dizendo que 8 de maio é “data histórica que marca o fim da Segunda Guerra Mundial na Europa”. “Ele falará de questões atuais, particularmente da situação na Ucrânia. O presidente ucraniano Zelensky participará e informará sobre a situação atual em seu país”, disse Hoffman.

Na noite deste domingo, o chanceler alemão fará um discurso televisionado à nação alemã, de acordo com a porta-voz, acrescentando que a data possui um significado especial este ano, uma vez que dois países que já foram vítimas da Alemanha nazista, agora estão em guerra um com o outro.

O G7 foi criado em 1975 e reúne os países mais industrializados. Atualmente, fazem parte do grupo Canadá, Estados Unidos, França, Reino Unido, Itália,  Japão e Alemanha, que ocupa a presidência do G7 no momento.

Publicidade

Publicidade

Entenda o conflito

Desde o dia 24 de fevereiro, Vladimir Putin deu início ao conflito contra a Ucrânia ao bombardear regiões do país. A invasão contou com domínios por terra, mar e ar, após autorização do presidente russo.

Vladimir Putin não aceita que a Ucrânia faça parte da OTAN, uma aliança criada pelos Estados Unidos. O presidente não deseja que uma base inimiga seja estabelecida próxima a seu território, uma vez que a Ucrânia faz fronteira com a Rússia. Esse foi um dos estopins para que Putin iniciasse os ataques.

Publicidade