Professores da USP tentam fugir de Kiev

Os professores dormiram nove dias em um corredor, ficaram em um abrigo improvisado e passaram por uma longa viagem para fugir de Kiev

professores-da-usp-tentam-fugir-de-kiev
Destruição em Kiev (Crédito: Pierre Crom/Getty Images)

Professores da USP dormem nove dias em corredor e tentam fugir de Kiev. O casal de professores de matemática Kostiantyn Iusenko, 39 anos, e Nataliia Goloshchapova, 36 anos passavam férias no seu país de origem, a Ucrânia, antes do início da guerra. Ao acontecer a invasão russa, o casal precisou enfrentar diversas situações.

Publicidade

Os professores dormiram nove dias em um corredor, ficaram em um abrigo improvisado e passaram por uma longa viagem para fugir de Kiev. O casal visitava anualmente o país de origem, mas como na pandemia não conseguiram, este momento de férias foi muito esperado. O retorno ao Brasil, seria quatro dias antes da Rússia invadir a Ucrânia.

De início, o casal queria atravessar a fronteira para tentar voltar ao Brasil, mas com a guerra, homens ucranianos de 18 a 60 ano foram impedidos de deixar o país, então eles permaneceram na capital ucraniana. Como os ataques aumentaram em Kharkiv o casal decidiu deixar Kiev com medo do que poderia acontecer por lá. Dessa forma, o casal procurou abrigo na casa da irmã da Nataliia, em Ternopil.

A viagem duraria sete horas, mas durou 22 horas, visto que foram necessários caminhos alternativos para fugir de conflitos os bombardeios. O casal segue esperançoso em conseguir sair da Ucrânia. A documentação está sendo providenciada, enquanto eles também aguardam um pedido de naturalização feito ao governo brasileiro.

Conflito Rússia e Ucrânia

No dia 24 e fevereiro, o governo russo invadiu a Ucrânia e bombardeou regiões do país. Após várias ameaças, Vladimir Putin autorizou os ataques por terra, ar e mar. Alguns dos motivos pelo qual esta invasão aconteceu é a aproximação da Ucrânia com o Ocidente.

Publicidade

O presidente da Rússia, Vladimir Putin não aceita que a Ucrânia entre para OTAN. Além disso, Putin quer aumentar o seu poder de influência na região. A Rússia e a Ucrânia já passaram por outros conflitos. Por mais que hoje, a Ucrânia seja independente, sua relação com a Rússia não é totalmente resolvida.

*Este texto contém informações retiradas do portal G1.

Publicidade