Putin acusa Ocidente pela guerra na Ucrânia

Após 20 dias de guerra, Putin está cada vez mais isolado economicamente

putin-acusa-ocidente-pela-guerra-na-ucrania
O presidente russo Vladimir Putin e a chanceler alemã Angela Merkel (não está na foto) dão declarações à mídia com bandeiras atrás antes das negociações no palácio Schloss Meseberg, o retiro do governo alemão, em Meseberg em 18 de agosto de 2018 perto de Gransee, Alemanha. (Crédito: Sean Gallup/Getty Images)

Durante um discurso sobre a guerra na Ucrânia, o presidente russo Vladmir Putin atacou o Ocidente, a quem acusou de  acusou de querer “cancelar a Rússia”. “A tentativa de obter uma dominação global está chegando ao fim”, disse.

Publicidade

Em sua fala, Putin se direcionava a seus ministros de seu gabinete em uma reunião televisionada. As duras sanções aplicadas pelo Ocidente foram o centro de sua crítica. “Querem atingir cada família russa”, afirmou, dizendo que o calote que o país dará em papéis de sua dívida “foi imposto” por uma “blitzkrieg econômica”.

Com talvez metade de seus US$ 640 bilhões em reservas cambiais com o acesso congelado no exterior, Putin disse que ”as ações mostram que ouro e reservas externas podem simplesmente ser roubadas”.

Vladmir Putin também falou sobre a expectativa de mais inflação e desemprego, e que tudo isso não passa de um “plano de longo prazo” do Ocidente para “conter a Rússia”. “O Ocidente nem se preocupa em esconder que seu objetivo é atingir toda a economia russa, cada russo”, afirmou. “Ele está numa campanha informativa sem precedentes contra a Rússia. É um império de mentiras”.

O líder russo ainda repetiu que a invasão está sendo um “êxito, de acordo com o plano”, e alertou Kiev de que o Ocidente “está empurrando a Ucrânia para mais derramamento de sangue”.

Publicidade

Putin voltou a dizer que os EUA estavam criando uma “anti-Rússia” no país vizinho, e que “não permitiria que ela se tornasse uma plataforma para atacar” Moscou. Ele disse que está disposto a discutir os termos para a neutralidade da Ucrânia, ou seja, a renúncia de Kiev a entrar na Otan, mas também que sua guerra seguirá para “cumprir seus objetivos”.

Publicidade