Entretenimento

“Severance”, série mostra o lado negro da conformidade corporativa

*Por María Marta Preziosa – Doutora em Filosofia pela Universidade de Navarra e Pesquisadora da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Católica da Argentina (UCA).

“Severance”, série mostra o lado negro da conformidade corporativa
Ben Stiller, diretor e produtor executivo da série (Crédito: David Livingston/Getty Images)

Severance (Apple TV, 2022), a perturbadora série dirigida por Ben Stiller, satiriza o mundo corporativo causando risos cúmplices, suspense e desespero. Aqueles que ingressam na Lumon Corporation aceitam voluntariamente a implantação de um dispositivo que os divide internamente. A intervenção no cérebro, chamada de “separação”, provoca uma separação total entre o eu-dentro e o eu-fora, o trabalho e o pessoal. Mais onírica em tom do que ficção científica, a série tem muitas reminiscências filosóficas do século 20. É uma “ficção especulativa”, diz seu roteirista Dan Erikson. Nessa linha, a ética do reconhecimento de Axel Honneth junta-se à especulação aqui.

Publicidade

Na Lumon, o Manual de observância tem vários volumes e suas milhares de páginas são como as Bíblias de outro tempo, feitas de papel de arroz e borda dourada. Funcionários leais recitam com frequência e em voz alta os princípios corporativos e os desleais são forçados a realizar atos de contrição por suas faltas. Lumon é um subsolo labiríntico compartilhado a portas fechadas, sem laços pessoais e sob uma eterna luz artificial que não se apaga, como o inferno de Jean P. Sartre. Lumon é uma burocracia infinita em que os demônios mais poderosos engolem os inferiores, como o inferno de Clive S. Lewis.

Na empresa, nenhuma área sabe o que a outra está fazendo, ou como chegar até ela. Mitos e lendas sobre a destruição selvagem entre diferentes setores circulam secretamente, reforçando o isolamento. Mas o conflito entre as áreas emerge o mesmo. Algum relacionamento entre colegas de trabalho – proibido por políticas de “anti-confraternização” – promove curiosidade, desejo e descumprimento.

Na primeira temporada ainda não sabemos por que cada protagonista concordou em ser implantado; mas eles não são inocentes. Quiseram evitar a dor, silenciar a angústia; eles desistiram da construção de sua identidade, na tentativa de se diferenciar dos demais. Eles preferiram não sofrer, tornando uma parte de si invisível para si mesmos, dando a Lumon o governo de suas vidas.

Na Lumon, a tarefa a cumprir é abundante e incompreensível; Os objetivos são mensuráveis ​​e o cumprimento gera recompensas: uma festa de waffles, uma experiência de música e dança, um retrato de mesa luminoso. Apesar de sua banalidade, as recompensas concedem momentos de pequena felicidade ou algo parecido com significado.

Publicidade

Na Lumon há recompensas, mas nada como reconhecimento. Os estilhaços não reconhecem uma parte de sua própria identidade. Também não reconhecem o local onde trabalham, não há mapas do labirinto. Com base em rumores, os de outras áreas não são reconhecidos como interlocutores válidos. Na Lumon não há valor social. A reputação da Lumon é controversa e, por dentro, os funcionários não têm propósito. Como eles são chamados de crianças, dispositivos malignos de poder pairam sobre eles. A autoconfiança não é encorajada; ninguém pode decidir fora do Manual de observância e a área de Segurança está sempre pronta para sanar vulnerabilidades, como suicídio. Mas um livro circula clandestinamente em Lumon e se chama “The you you are”.

Para Axel Honneth, a integridade consiste em uma identidade intacta e depende do reconhecimento recíproco. Quando esse reconhecimento não existe, quando a auto-realização não é possível, surge um processo conflituoso consequente. Vamos ver o que a segunda temporada reserva para nós. Até agora, a série parece não tanto uma crítica à grande empresa, mas uma contundente questão existencial: você está evitando sua responsabilidade na conquista de ser quem você é? O lado escuro da realização é um eu desintegrado. Identidade ou inferno, isso é “Severance “.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

Publicidade