Trump é suspeito de levar documentos secretos da Casa Branca para resort

O Arquivo Nacional consultou o Departamento de Justiça sobre a descoberta depois que o ex-presidente enviou de volta documentos que ele havia retirado indevidamente da Casa Branca quando deixou o cargo

trump-havia-levado-documentos-da-casa-branca
Ex-presidente Donald Trump (Crédito: Chip Somodevilla/Getty Images)

A Administração Nacional de Arquivos e Registros descobriu o que acreditava ser informação confidencial em documentos que Donald J. Trump havia levado consigo da Casa Branca quando deixou o cargo, de acordo com uma pessoa informada sobre o assunto.

Publicidade

A descoberta, que ocorreu depois que Trump devolveu 15 caixas de documentos ao governo no mês passado, levou o Arquivo Nacional a procurar orientação do Departamento de Justiça, disse a pessoa. O departamento disse aos Arquivos Nacionais que seu inspetor geral examinasse o assunto, disse a pessoa.

Não está claro o que o inspetor-geral fez desde então, em particular, se o inspetor-geral encaminhou o assunto ao Departamento de Justiça.

Um inspetor geral é obrigado a alertar o Departamento de Justiça sobre a descoberta de quaisquer materiais classificados que foram encontrados fora dos canais governamentais autorizados.

Fazer uma referência ao Departamento de Justiça colocaria os altos funcionários na posição de ter que decidir se abririam uma investigação, um cenário que empurraria o departamento para um assunto político altamente controverso.

Publicidade

O Washington Post informou na quarta-feira (9), que os Arquivos Nacionais pediram ao Departamento de Justiça para examinar o tratamento de Trump dos registros da Casa Branca.

Funcionários do Arquivo Nacional não responderam às mensagens pedindo comentários.

Em janeiro, após uma longa ida e volta entre os advogados de Trump e os Arquivos Nacionais, Trump entregou mais de uma dúzia de caixas de materiais, incluindo documentos, lembranças, presentes e cartas. Entre os documentos estavam as versões originais de uma carta que o ex-presidente Barack Obama deixou para Trump quando ele foi empossado pela primeira vez, e cartas escritas a Trump pelo líder norte-coreano, Kim Jong-un.

Publicidade

Também incluído nas caixas estava um mapa que Trump desenhou com uma caneta preta para demonstrar a trilha do furacão Dorian em direção ao Alabama em 2019 para apoiar uma declaração que ele fez no Twitter que contradizia as previsões meteorológicas.

As caixas foram originalmente enviadas para Mar-a-Lago da residência da Casa Branca, onde uma série de itens, incluindo roupas foram empacotados às pressas nos últimos dias de Trump no cargo. Legalmente, Trump foi obrigado a deixar os documentos, cartas e presentes sob custódia do governo federal para que o Arquivo Nacional pudesse armazená-los.

Depois que o FBI, durante a campanha presidencial de 2016, investigou o manuseio de material classificado por Hillary Clinton enquanto ela era secretária de Estado, Trump a atacou, ajudando a tornar a questão fundamental no resultado dessa corrida. Nesse caso, o inspetor-geral da comunidade de inteligência fez uma referência de segurança nacional ao FBI, levando à investigação de Clinton.

Publicidade

Mas durante o governo de Trump, altos funcionários da Casa Branca estavam profundamente preocupados com a pouca consideração que Trump demonstrava por materiais sensíveis de segurança nacional. John F. Kelly, o chefe de gabinete da Casa Branca, tentou impedir que documentos confidenciais fossem retirados do Salão Oval e levados para a residência porque estava preocupado com o que Trump poderia fazer com eles e como isso poderia comprometer a segurança nacional.

Semelhante à Sra. Clinton, o genro de Trump, Jared Kushner, e a filha Ivanka usaram contas de e-mail pessoais para fins de trabalho. E mesmo depois de ser avisado por assessores, Trump rasgou repetidamente documentos do governo que precisavam ser colados de volta para evitar que ele fosse acusado de destruir propriedade federal.

Agora, Trump enfrenta questões sobre como lida com informações confidenciais, uma questão complicada porque, como presidente, ele tinha autoridade para desclassificar qualquer informação do governo. Não está claro se Trump desclassificou os materiais que os Arquivos Nacionais descobriram nas caixas antes de deixar o cargo. De acordo com a lei federal, ele não mantém mais a capacidade de desclassificar documentos após deixar o cargo.

Publicidade

Ele invocou o poder de desclassificar informações várias vezes enquanto seu governo divulgava publicamente materiais que o ajudavam politicamente, principalmente em questões como a investigação sobre os laços de sua campanha com a Rússia.

Perto do fim do governo, Trump rasgou fotos que o intrigaram do Resumo Diário do Presidente, um compêndio de informações muitas vezes classificadas sobre potenciais ameaças à segurança nacional, mas não está claro se ele as levou para a residência com ele. Em um exemplo proeminente de como ele lidou com material classificado, Trump em 2019 pegou uma imagem de satélite espião altamente confidencial de um local de lançamento de mísseis iranianos, desclassificou-a e depois divulgou a foto no Twitter.

Se for descoberto que Trump levou consigo materiais que ainda eram confidenciais no momento em que ele deixou a Casa Branca, processá-lo seria extremamente difícil e colocaria o Departamento de Justiça contra Trump em um momento em que o procurador-geral Merrick B Garland está tentando despolitizar o departamento.

O departamento e o F.B.I. também ainda tem cicatrizes significativas de sua investigação sobre se Clinton lidou mal com informações confidenciais, já que a agência foi acusada de manchá-la injustamente e interferir nas eleições de 2016.

“O NYT repetidamente deu à história do email de Clinton vários A1 acima das manchetes. A história deles sobre Trump sendo acusado de remover indevidamente materiais classificados da Casa Branca será publicada na página A15.”

*Por – Reid J. Epstein and Michael S. Schmidt — The New York Times

*Contribuição – Katie Benner, Julian Barnes and Maggie Haberman.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil