Ucrânia diz que Chernobyl está sem energia elétrica e pode emitir radiação

Empresa diz que transmissão de energia foi danificada por ocupantes russos

ucrania-diz-que-chernobyl-esta-sem-energia-eletrica-e-pode-emitir-radicao
Usina de Chernobyl (Créditos: Daniel Berehulak/Getty Images)

A companhia Energoatom informou nesta quarta-feira (9) que a estação de Chernobyl está sem energia elétrica e, com isso, a falha pode fazer com que o combustível nuclear estocado no local emita radiação para a Europa. A empresa diz que transmissão de energia foi danificada por ocupantes russos.

Publicidade

Desde os primeiros dias do conflito entre os países, Chernobyl está sob o controle da Rússia. Com a falha ocorrida, a Ucrânia solicita um cessar-fogo para a realização dos reparos necessários.

A usina está desativada desde o fim dos anos 80, quando houve uma tragédia nuclear, que transformou a região em uma cidade fantasma. Segundo Dmytro Kuleba, ministro das Relações Exteriores da Ucrânia só há combustível para as próximas 48 horas.

Por outro lado, a Agência Internacional de Energia Atômica, afirma que a perda de energia não traz graves problemas de segurança e que o volume de líquido de resfriamento é suficiente para retirar o calor do material armazenado.

De acordo com o portal Uol, a Energotam disse ainda que os sistemas de extinção de incêndio e de ventilação não estão funcionando. Dessa forma, isso pode fazer com que funcionários recebam uma dose de radiação perigosa e que um incêndio se propague facilmente caso haja um bombardeio no local.

Publicidade

Entenda o conflito

Desde a quinta-feira (24), Vladimir Putin deu início ao conflito contra a Ucrânia ao bombardear regiões do país. A invasão contou com domínios por terra, mar e ar, após autorização do presidente russo.

Vladimir Putin não aceita que a Ucrânia faça parte da OTAN, uma aliança criada pelos Estados Unidos. O presidente não deseja que uma base inimiga seja estabelecida próxima a seu território, uma vez que a Ucrânia faz fronteira com a Rússia. Esse foi um dos estopins para que Putin iniciasse os ataques.