Xi Jinping critica sanções à Rússia: ‘Danos a todas as partes’

Segundo Xi, a China está disposta a desempenhar “um papel ativo” na resolução pacífica do conflito

xi-jinping-critica-sancoes-a-russia-danos-a-todas-as-partes
O presidente chinês Xi Jinping é visto durante a Segunda Sessão Plenária da Quinta Sessão da 13ª Assembleia Popular Nacional em 08 de março de 2022, no Grande Salão do Povo, em Pequim, China. (Crédito: Andrea Verdelli/Getty Images)

O presidente chinês, Xi Jinping, pediu durante nesta terça-feira (8) “contenção máxima” no conflito entre Rússia e Ucrânia e expressou profunda preocupação com a guerra. As declarações foram feitas durante uma videoconferência com o presidente francês Emmanuel Macron e o chanceler alemão Olaf Scholz, informou a imprensa estatal da China.

Publicidade

Xi também reiterou a oposição da China às sanções internacionais e afirmou que as medidas tomadas contra Moscou “provocarão danos a todas as partes”. O presidente chinês também disse a Macron e Scholz que “aprecia os esforços de França e Alemanha para atuar como mediadores na Ucrânia”.

A China, maior parceira econômica da Rússia, se recusou a usar o termo invasão e afirma “entender” as preocupações da Rússia com a segurança. Contudo, Xi declarou que estava “profundamente triste por acompanhar uma nova guerra no continente europeu”, segundo a televisão pública chinesa CCTV.

A China está disposta a desempenhar “um papel ativo” na resolução do conflito, afirmou Xi, segundo a emissora. “Devemos apoiar juntos as negociações de paz entre Rússia e Ucrânia”, afirmou Xi, embora até o momento as rodadas de negociações em Belarus não tenham apresentado resultados. A China “está pronta para proporcionar ajuda humanitária à Ucrânia”, prometeu o presidente chinês.

Tradução do post do embaixador chinês em Malta, Yu Dunhai, no Twitter: “A China propôs uma iniciativa de seis pontos sobre a situação humanitária na Ucrânia e está pronta para fornecer à Ucrânia mais suprimentos de ajuda humanitária. Precisamos trabalhar juntos para reduzir o impacto negativo da crise”, disse o presidente Xi Jinping.

Publicidade