Anvisa recebe 1° pedido de registro de autoteste de Covid

O pedido foi feito nesta segunda (31) pela empresa brasileira Okay Technology

anvisa-recebe-1°-pedido-de-registro-de-autoteste-de-covid
(Crédito: Breno Esaki/Agência Saúde DF)

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recebeu o primeiro pedido de registro de autoteste da Covid-19 após a publicação da portaria que autoriza a venda do produto. O pedido foi feito nesta segunda (31) pela empresa brasileira Okay Technology.

Publicidade

O produto é importado e utiliza o modelo de coleta ‘swab nasal’. O exame baseia-se na detecção do material genético do vírus em amostras coletadas nas vias respiratórias por meio de um cotonete grande introduzido no nariz.

A resolução da Anvisa foi publicada na sexta-feira (28) e regulamentou os requisitos e procedimentos para a solicitação de registro, distribuição, comercialização e uso de autotestes para detecção da Covid-19. A Anvisa afirma que tem dado prioridade à análise dessas solicitações de registro, para que sejam aprovadas no menor tempo possível.

Em nota, a Anvisa disse que “além dos aspectos de eficácia e segurança, os autotestes serão avaliados, por exemplo, quanto à regularidade da documentação técnica, acessibilidade das instruções de uso, armazenagem e descarte do produto para o usuário leigo, de forma a viabilizar a utilização de forma adequada.”

Como funciona o autoteste?

O autoteste é parecido com o teste rápido, contudo, pode ser manuseado por leigos em casa. O kit vem com um dispositivo de teste, tampão de extração, filtro e o swab (cotonete).

Publicidade

O teste é capaz de identificar o antígeno viral – uma estrutura do vírus que faz com que o corpo produza uma resposta imunológica contra ele. Se o resultado for positivo, significa que a pessoa está infectada no momento do teste.

Publicidade