luta contra a desinformação

Presidente do STF defende liberdade de imprensa e combate às fake news

A declaração foi dada no discurso de abertura de uma exposição na sede do STF, em Brasília, intitulada “Liberdade e Imprensa – o papel do jornalismo na democracia brasileira”. 

(Crédito: Andressa Anholete/Getty Images)

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, disse hoje (5) que não há democracia verdadeira nos países em que não há imprensa livre de intimidações e censuras e nos quais haja regulação do trabalho da imprensa.

Publicidade

“Num país onde a imprensa não é livre, num país onde a imprensa é intimidada, num país onde a imprensa é amordaçada, num país onde a imprensa é regulada, sendo a imprensa um dos pilares da democracia, nesse país, com tantas restrições à liberdade de imprensa, a democracia é uma mentira e a Constituição Federal é uma mera folha de papel”, afirmou o ministro.

Segundo a Agência Brasil, a declaração foi dada no discurso de abertura de uma exposição na sede do STF, em Brasília, intitulada “Liberdade e Imprensa – o papel do jornalismo na democracia brasileira”.

Fux defendeu o papel de imprensa também em lutar contra as notícias falsas e a desinformação da população, principalmente em ano de eleição. “A imprensa, no seu trabalho de combate às fake news, busca a verdade”, disse.

“Devemos ter cuidado com as fake news porque desinformam e impedem, dentre outros aspectos, que o cidadão possa ser bem informado, criar a sua agenda e, acima de tudo, nesse momento em que nós estamos vivendo, proferir aquele seu voto consciente e bem informado no momento das eleições”, completou.

Publicidade

Durante a cerimônia, o presidente da Associação Nacional de Jornais (ANJ), Marcelo Rech, destacou que a liberdade de imprensa não é para o jornalista, mas um patrimônio de toda sociedade.

“É a essa sociedade que a imprensa presta contas. Por meio dela é mantida e para ela exerce seu essencial e constante papel de vigilante para as distorções, os desvios, as injustiças, as falhas e os desacertos, propositais ou não, de poderes, governos, empresas, partidos, organizações, instituições – desde uma denúncia de inépcia em uma pequena prefeitura do interior até as mais altas autoridades do país”, disse Rech.

Fruto de parceria do STF com a ANJ (Associação Nacional de Jornais), a mostra estará aberta para visitação pública de 6 de maio a 4 de julho, às segundas e sextas, das 14h às 18h. A entrada é gratuita.

Publicidade