Esquerda x Direita

Eduardo Bolsonaro entra em polêmica após eleições na Colômbia

Gustavo Petro, que ganhou nas eleições para o cargo à presidência da Colômbia, se tornou o primeiro presidente de esquerda no país.

eduardo-bolsonaro-defende-vera-magalhaes-apos-ataque
Eduardo Bolsonaro (Crédito: Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados)

O deputado brasileiro e filho do presidente da República, Eduardo Bolsonaro, protagonizou uma polêmica ao compartilhar um mapa do continente logo após a vitória de Gustavo Petro sobre Rodolfo Hernández na Colômbia, classificando a Argentina como um país comunista e chamando as Ilhas Malvinas de “Falklands”, deixando de incluí-las no território argentino.

Publicidade

Gustavo Petro, que ganhou nas eleições para o cargo à presidência da Colômbia, se tornou o primeiro presidente de esquerda no país. No entanto, o filho de Jair Bolsonaro compartilhou um mapa em seu perfil do Twitter lamentando o resultado eleitoral. Eduardo Bolsonaro, sendo de extrema direita, disparou: “A responsabilidade do eleitor brasileiro só aumenta. Já não é mais “tão somente” pelo Brasil, é para toda a região”.

A imagem compartilhada tem um martelo amarelo com um fundo vermelho, que se refere à antiga União Soviética e ao comunismo, em cima da Argentina, Bolívia, Venezuela, Peru, Chile e Colômbia, países onde a esquerda governa. O que gerou indignação na Argentina é que no mapa o deputado brasileiro não incluiu as  Ilhas Malvinas como território argentino e também as chamam de “Falklands”. 

Publicidade

Segundo a Perfil Argentina, a derrota de Hernández na Colômbia significou um golpe para a direita latino-americana. O presidente do Brasil é um dos poucos líderes da região que ainda não fez referência à eleição de ontem na Colômbia. Felipe Martins, assessor de Bolsonaro, seguiu a mesma linha de pensamento do deputado Eduardo Bolsonaro, dizendo que: “Diante do avanço da extrema esquerda na América Latina, com sucessivas vitórias no Fórum de São Paulo, nossa responsabilidade como brasileiros é maior. Que Deus tenha piedade de nós e nos dê condições de proteger nosso país e nosso povo”.

 

Publicidade