Insegurança

OCDE lança alerta para crise alimentar na América Latina

O relatório da OCDE chega no mesmo dia em que uma pesquisa feita pela Rede Penssan diz que cerca de 33 milhões de pessoas passam fome no Brasil.

OCDE lança alerta para crise alimentar na América Latina
Segundo a pesquisa da Rede Pessan, mais da metade da população brasileira (58,7%) vive em insegurança alimentar (Crédito: Antoine Antoniol/Getty Images)

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou um alerta para o risco de crise alimentar em economias em desenvolvimento, como é o caso da América Latina. A afirmação foi feita, nesta quarta-feira (8), em um relatório semestral chamado Perspectivas Econômicas.

Publicidade

Para a economista-chefe da OCDE, a francesa Laurence Boone, existe “urgência” para evitar a crise:

“Hoje o mundo está produzindo comida suficiente para alimentar a todos, mas os preços estão muito altos e o risco é de que essa produção não chegue aos mais necessitados (…) A cooperação global é necessária para garantir que os alimentos cheguem aos consumidores a preços acessíveis, especialmente em economias de baixa renda e de mercados emergentes.”

O Brasil, que tem um capítulo dedicado no relatório, teve sua estimativa do PIB diminuída pela OCDE de 1,4% para 0,6% para o ano de 2022. Além disso, a OCDE também alerta para uma crise alimentar principalmente para os mais vulneráveis, destacando o papel “fundamental” dos programas sociais:

“São necessários esforços adicionais para melhorar a segmentação e a eficiência dos gastos públicos, para que a boa gestão fiscal permaneça consistente.”

Publicidade

O relatório da OCDE chega no mesmo dia em que uma pesquisa feita pela Rede Penssan (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional) diz que cerca de 33 milhões de pessoas passam fome no Brasil. Esse número chega a ser quase o dobro do número registrado em 2020.

A inflação, a guerra na Ucrânia, a pandemia de Covid-19 e as eleições de outubro são as principais causas, apontadas pela OCDE, do período de insegurança que passa o Brasil.

Publicidade