Lucro de 44 bilhões

Bom resultado da Petrobras repercute para toda sociedade

A estatal teve  lucro de R$ 44,5 bilhões no primeiro trimestre deste ano. O presidente da estatal explicou que 80% dos ganhos no período foram provenientes da atividade de exploração.

petrobras-bom-resultado-da-companhia-repercute-para-toda-sociedade

O presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho, disse nesta sexta-feira (6), no Rio de Janeiro, em coletiva online, que não há relação significativa entre os resultados da companhia e o reajuste dos preços dos combustíveis. A estatal teve  lucro de R$ 44,5 bilhões no primeiro trimestre deste ano. Coelho explicou que 80% dos ganhos no período foram provenientes da atividade de exploração e produção de petróleo e 20% dos demais segmentos.

Publicidade

Segundo o presidente da estatal, no primeiro trimestre de 2022, a Petrobras pagou em tributos para a União, estados e municípios uma vez e meia o valor do seu lucro líquido. “Um bom resultado da Petrobras se repercute também para a sociedade como um todo. Isso gera investimentos em saúde, saneamento, transporte e uma série de outros investimentos importantes”.

Coelho disse que, no primeiro trimestre deste ano, em tributos e participações governamentais, foram pagos mais de R$ 70 bilhões. Segundo o presidente, cada R$ 1 bilhão investido pela Petrobras gera cerca de 10 mil empregos. “Então, é emprego e geração de renda na veia”.

Gestão

Em relação ao resultado do primeiro trimestre, Coelho disse que a última vez em que o preço do barril do petróleo no mercado externo esteve acima dos US$ 100 ocorreu no primeiro trimestre de 2014, quando o preço atingiu US$ 108. Ele analisou que, mesmo com o preço à média de US$ 108 o barril, a Petrobras não teve, àquela época, resultado como o registrado agora. “Porque não é simplesmente uma questão de preço elevado de petróleo mas, sim, uma questão de uma gestão eficiente, comprometida com a busca pelo resultado, a redução de custos”.

O presidente disse que entre o primeiro trimestre de 2014 e o primeiro trimestre de 2022, a Petrobras teve uma redução da dívida de US$ 160 bilhões para menos de US$ 60 bilhões, uma redução de 65% no pagamento de juros proveniente de financiamentos, redução de 30% na produção de petróleo e gás natural, queda de 60% nos custos das despesas administrativas, queda de mais da metade dos custos de extração de petróleo e redução de 30% nos custos de refino. Coelho disse que a companhia tem hoje uma gestão comprometida com o resultado e a redução de custos.

Publicidade

O presidente da Petrobras disse que o aumento do preço do petróleo em todo o mundo, nos três primeiros meses deste ano, se refletiu em lucros de todas as grandes petroleiras globais. Ele destacou também que dos cerca de 800 mil acionistas da Petrobras, 700 mil são brasileiros. Em relação à questão de preços, Coelho considerou legítima a preocupação do presidente da República em relação aos preços mais elevados dos combustíveis, “que acontece em todo o mundo” e resulta em preocupação de todos os líderes governamentais.  “Por outro lado, por dever de diligência, os administradores da Petrobras e de todas as empresas de capital aberto devem atuar alinhados de acordo com a atual política de preços da companhia”.

O presidente destacou, por outro lado, que a Petrobras não é insensível à sociedade brasileira, principalmente em momentos atípicos como atual, no qual o conflito no Leste Europeu acaba impactando muito os mercados de energia, em especial, agora, o mercado de diesel. “A Petrobras acompanha os preços de mercado, mas não repassamos essa volatilidade momentânea de imediato. Mas, claro também, em determinados momentos, reajustes devem ser feitos para que a gente mantenha a saúde financeira da nossa companhia”.

Reajuste

Os preços de combustíveis estão há 57 dias sem reajustes. O diretor de Comercialização e Logística, Cláudio Mastella, esclareceu que não há limite estabelecido para novo reajuste e que não há risco de desabastecimento, porque o mercado está suprido tanto pelo refino brasileiro, como por importações da Petrobras e de terceiros. “Os estoques estão confortáveis”, assegurou.

Publicidade

Segundo Mastella, a Petrobras monitora os mercados internacionais e avalia os preços coletivos. Ele esclareceu que a companhia evita repassar a volatilidade de preços para o mercado interno porque, a cada dia, pode haver situações de defasagem para cima ou para baixo. “A gente aguarda estabilização de defasagem em um patamar para então implementar mudanças”.

(Agência Brasil)

Publicidade