Telegram se reúne com o TSE para discutir combate à desinformação

Aplicativo chegou a ser suspenso no Brasil por ordem de Moraes devido a descumprimento de decisões

???? REUNIÃO DO TELEGRAM COM O TSEO Telegram aceitou um convite para se reunir na quinta-feira (24) com integrantes do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e discutir formas de cooperação para combater a disseminação de notícias falsas.— Camarote da República  (@camarotedacpi) March 23, 2022
No último domingo (22) o uso do app voltou a ser permitido, após a plataforma cumprir as medidas (Crédito: Carl Court/Getty Images)

Representantes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do aplicativo de mensagens Telegram se reuniram nesta quinta-feira (24) para discutir a adoção de uma parceria contra a desinformação envolvendo o processo eleitoral brasileiro.

Publicidade

Essa foi primeira reunião com o representante do Telegram no Brasil, Alan Campos Elias Thomaz, para discutir formas de colaboração para eleições legítimas e seguras em 2022. Também participaram da reunião membros da Assessoria Especial de Enfrentamento à Desinformação (AEED), a secretária-geral da presidência da Corte, Christine Peter da Silva; a juíza auxiliar Flávia Viana, da Assessoria Consultiva (Assec); José Gilberto Scandiucci, da Assessoria de Assuntos Internacionais; e o juiz auxiliar da vice-presidência, Marcos Vargas.

Em fevereiro, o Tribunal Superior Eleitoral firmou um acordo com outras oito plataformas digitais: Twitter, TikTok, Facebook, WhatsApp, Google, Instagram, YouTube e Kwai. O Telegram, que não havia respondido ao convite até agora , é um dos principais canais utilizados pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) e apoiadores.

A postura do Telegram mudou depois que, na última sexta-feira (18), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a suspensão do funcionamento do aplicativo em todo o Brasil.

Estratégia de combate as Fake News

A Corte informou que foi apresentado o Programa de Enfrentamento à Desinformação, com o histórico de atuação do TSE contra as informações falsas sobre o processo eleitoral.

Publicidade

O TSE também mostrou ao Telegram como seria essa parceria, incluindo os procedimentos para a formalização e a manutenção dos canais de contato. O termo de adesão foi encaminhado à plataforma por e-mail.

Segundo o TSE, o representante do Telegram, Alan Campos Elias Thomaz, informou que levará a proposta aos executivos da plataforma.