Nova Volkswagen Amarok terá motor Ford

A segunda geração da picape da marca alemã teria várias mudanças mecânicas e usaria hélices ovais da marca

Nova Volkswagen Amarok terá motor Ford
(Crédito: Divulgação/ Volkswagen)

A Volkswagen continua com os testes da nova geração do Amarok, modelo do qual surgiram imagens em formato teaser do interior e exterior.

Publicidade

No entanto, uma das grandes dúvidas será a mecânica que esta caminhonete oferecerá. Embora se saiba que será o primo em primeiro grau da futura geração da Ford Ranger, estima-se que sob o capô eles compartilhariam vários componentes.

Em repetidas ocasiões se falou que os motores seriam exatamente os mesmos, embora nos últimos meses tenham sido abertos caminhos diferentes que poderiam indicar que alguns motores seriam compartilhados e outros não.

Por exemplo, até agora não há dados sobre o motor 2.0 Panther que a Ranger vai equipar, mas poderíamos levar em conta outros modelos da Ford que com a mesma mecânica monoturbo que oferecem 170 cv ou 185 cv, enquanto o biturbo chega a 213 cv, como o atual Ranger Raptor.

Segundo Drive, o 2.0 seria utilizado pelas duas caminhonetes, assim como os sistemas de escapamento. A questão está no motor V6 de 3,0 litros maior. Na Austrália o 3.0 TDI ainda é oferecido, com a diferença de que aparentemente não adotou a potência de 258 cv, mas continua com 224 cv (Overboost de 258 cv).

Publicidade

A nova Ranger também teria um 3.0 V6 derivado do F-150 com 253 cv. Em mercados como o oceânico, a ideia de compartilhar essa mecânica entre as duas picapes não é uma má ideia, embora em países onde a Amarok tenha o 258 CV como padrão, seria uma pequena redução na potência.

Somam-se a este relatório do Drive as informações recentes sobre o Volkswagen Amarok R, uma versão esportiva preparada para off-road que pode ser o primo em primeiro grau do Ranger Raptor. No entanto, teremos que estar atentos e ver se a empresa alemã adota a engenharia “esportiva” da Ford ou se adiciona um novo parceiro diante de uma possível recusa.

*Texto publicado originalmente no site Parabrisas, da Editora Perfil Argentina.

Publicidade