Funcionários do Inep pedem exoneração poucos dias antes da prova do Enem

Exoneração em massa acontece no órgão responsável pelo Enem dias antes da aplicação da prova

desembargador-manda-soltar-milton-ribeiro-e-pastores-presos-em-investigacao-sobre-escandalo-do-mec
Ministro da Educação, Milton Ribeiro, em entrevista coletiva (Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Vinte e nove funcionários do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) pediram demissão nesta segunda-feira (8). O órgão é responsável pela aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que deve acontecer em menos de duas semanas, a prova será realizada nos dias 21 e 28 de novembro.

Publicidade

Inicialmente, haviam sido divulgados 13 nomes. Em seguida, outros 16 servidores integraram o grupo, incluindo a servidora Camilla Leite Carnevale Freire, integrante da coordenação-geral do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), segundo informações do Portal da Transparência. Assim como o Enem, essa prova também está perto de acontecer, será aplicada no próximo domingo (14).

A exoneração em massa acontece dias após o pedido de desligamento de dois coordenadores-gerais do órgão. Eduardo Sousa, Coordenador de Exames para Certificação, e Hélio Júnio Rocha Morais, coordenador de Logística de Aplicação, oficializaram a saída na última sexta-feira (5). Os dois estavam diretamente ligados à realização do Enem.

Dessa vez, entre os treze funcionários que pediram exoneração, todos são da diretoria de Gestão e Planejamento, responsável pela aplicação e logística da prova do Enem e outras avaliações aplicadas pelo Inep. Onze ocupam cargos de coordenação, segundo levantamento do portal de notícias g1.

O pedido de demissão encaminhado pelos servidores à diretoria do órgão reforça que um dos motivos é a suposta “falta de comando técnico” no planejamento do Enem, denunciada em assembleia realizada na última semana. O Inep é presidido por Danilo Dupas.

Publicidade

O ato realizado na quarta-feira passada (04), em frente ao prédio do instituto, em Brasília, foi organizado por funcionários que afirmaram haver um “clima de insegurança e medo” promovido pela atual gestão. 

Segundo o g1, de acordo com relatos de servidores, as Equipes de Incidentes e Resposta (ETIR), responsável por lidar com incidentes nos dias da prova não estão envolvidas no planejamento de aplicação do Enem, por “decisão ‘arbitrária e unilateral’ de pessoas com cargos de chefia, ligadas à presidência do instituto”.

Mudanças do Enem 2021

A instabilidade no Inep acontece no mesmo ano em que o número de inscritos confirmados no Enem é o menor desde 2005. Uma das explicações para o número baixo de inscrições foi a penalização de estudantes que pediram isenção da taxa da prova em 2020 e não compareceram no exame. Em 2021 essas pessoas não puderam pedir isenção do valor de R$ 85 necessários para confirmar a inscrição. 

Publicidade

Em setembro, o Inep voltou atrás e permitiu que isentos ausentes em 2020 tivessem nova oportunidade para se inscrever na edição com o benefício. Por isso, o Enem de 2021, pela primeira vez em sua história, será realizado com duas provas diferentes, os inscritos posteriormente do prazo inicial farão o exame nos dias 9 e 16 de janeiro de 2022.

Publicidade