REPORTAGEM ESPECIAL SPORTBUZZ

Há 30 anos, o mundo se despedia de Senna

Jornalista Livio Oricchio que acompanhou a morte de Ayrton Senna conversou com exclusividade com o SportBuzz e trouxe todos os detalhes do fatídico 1º de maio de 1994

Há 30 anos, o mundo se despedia de Senna
Há 30 anos, o mundo se despedia de Senna – Crédito: Getty Images

Um herói nacional. Foi assim que Ayrton Senna ficou marcado na história do esporte brasileiro e da Fórmula 1.

Publicidade

O dia 1º de maio de 1994 é lembrado até hoje como uma das datas mais tristes da história do país. Isso porque, em Ímola, na Itália, mais especificamente na curva Tamburello, uma parte dos brasileiros morreu ao ver que um dos maiores pilotos que já existiram havia falecido em um trágico acidente. Trinta anos depois da tragédia, o SportBuzz traz detalhes exclusivos daquele final de semana.

Livio Oricchio, jornalista que acompanhou toda a carreira de Ayrton Senna, foi o responsável por trazer informações que poucos fãs de automobilismo souberam ao longo dos últimos anos. Em entrevista para o podcast do SportBuzz, em 2023, o repórter contou como o brasileiro estava durante o Grande Prêmio italiano.

Assista a entrevista na íntegra: 

Para quem não se lembra, na temporada de 1994, antes mesmo do circuito de Ímola, Rubens Barrichello sofreu um grave acidente e já havia deixado os brasileiros em alerta, inclusive Senna. No dia seguinte, no sábado, Ratzenberger, na mesma curva que Ayrton viria sofrer o acidente no domingo, saiu do autódromo sem vida. A morte, vale destacar, deixou o piloto brasileiro tenso.

Conversamos com ele na área da Williams enquanto ele almoçava. Ele claramente era uma pessoa que estava com quinhentas coisas na cabeça. Falava uma coisa e pensava em outra. Aí tem a batida do Rubinho na sexta, onde ele se machucou bastante. O Ayrton foi visitar ele no hospital Maggiore. No ambulatório, a gente viu o Ayrton com um semblante preocupado após o acidente do Rubinho. No sábado, deu para ver, ele [Senna] não estava no carro quando o Ratzenberger bateu. O Ayrton quando viu aquilo ficou estarrecido. Fomos até o ambulatório e a gente viu o Senna entrar na sala e quando saiu ele estava bem abatido e com os olhos marejados, sabia que o piloto havia morrido. Ele nem voltou para pista. Sabia que tinha o melhor tempo“, relembrou Livio.

Publicidade

Senna, inclusive, teria tido uma conversa com o histórico doutor Sid Watkins que o viu totalmente preocupado um dia antes do acidente fatal: “No sábado, o doutor, depois da morte do Ratzenberger, viu o Ayrton transtornado. Ele era muito próximo a mim. Ele contou que falou para o Ayrton não correr, mas o Senna respondeu que não tinha esse poder profissional para dizer que não ia correr. Era impossível“.

Mas essa tensão de Senna vinha muito antes de sua morte. No início da temporada, quando trocou a McLaren pela Williams, durante os testes em Estoril, Livio Oricchio contou para o SportBuzz  que Ayrton reconhecia que aquele carro, também com as mudanças da FIA, era “inguiável”.

“Ayrton sabia que em 94 eles [da McLaren] não teriam um carro competitivo como o da Williams. A grande vantagem da Williams vinha do motor V10 e da suspensão ativa e se a Williams ofereceu essa possibilidade para o Ayrton correr, não havia dúvidas nenhuma. No entanto, quando a FIA muda as regras, ainda nos testes, em Estoril, o Ayrton sai assustado do carro e disse que o carro era ‘inguiável’. A Williams até chegou a cogitar usar o carro do ano passado e era uma opção para o Senna começar o campeonato. Só não foi, porque o Patrick Head e Adrian Newey bateram o pé. Mesmo com esse carro, o Ayrton foi pole nas duas primeiras corridas e até em Ímola, mas era um carro ‘inguiável’. Ele só foi melhorar em junho (um mês após a morte de Senna), no GP da França“, explicou.

Publicidade

A gente via a traseira do carro bater no chão em velocidade baixa. Eu, inclusive, quando teve o acidente [do Senna], cheguei a pensar que foi o ar que não passou por baixo do carro, criou uma bolha e o fez perder o controle. Mais tarde soubemos que foi a quebra de direção, e eu não tenho 100% de certeza disso“, continuou.

O suposto áudio, divulgado pelo irmão de Senna, sobre Galisteu realmente existiu?

Livio Oricchio confirmou que isso aconteceu, mas evitou trazer detalhes e garantiu que “teve o fato das fitas que o irmão levou para ele. Isso aconteceu, mas eu nunca me preocupei em saber. O que nós soubemos é que o irmão apresentou essas gravações da Galisteu. Mas a gente não sabe no que isso interferiu no desempenho do Ayrton. Isso nem é do meu interesse. Mas achei inoportuno e inconveniente em relação ao que o irmão fez“.

* A reportagem completa você encontra no SportBuzz.

Publicidade

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber grátis o Menu Executivo Perfil Brasil, com todo conteúdo, análises e a cobertura mais completa.

Grátis em sua caixa de entrada. Pode cancelar quando quiser.