lendas do esporte

Jadel, Douglas Vieira e Fofão são homenageados no Dia Olímpico

Os ex-atletas foram homenageados pelo Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa.

fofao-jadel-e-douglas-vieira-homenageados_widelg
Fofão, Jadel e Douglas Vieira são homenageados no Dia Olímpico (Crédito: Reprodução/SportBuzz)

Lendas do esporte nacional, FofãoJadel Gregório e Douglas Vieira foram homenageados pelo Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP), em São Paulo, na última quinta-feira (23), data em que é celebrado o Dia Olímpico.

Publicidade

Em conversa com o portal SportBuzz, os ex-atletas do vôlei, atletismo e judô agradeceram a homenagem e destacaram a importância de ser referência aos atletas brasileiros em formação. A ex-levantadora Fofão, que fez parte da Seleção Brasileira de Vôlei feminino, iniciou sua trajetória no Centro Olímpico.

Fofão fez história na Seleção Brasileira de Vôlei feminino e é a atleta mais vitoriosa na modalidade do país. A ex-levantadora tem cinco participações consecutivas em Jogos Olímpicos, conquistando o ouro em Pequim 2008, e o bronze em Sidney 2000 e Atlanta 1996. Ao todo, Fofão tem 20 conquistas com a camisa verde e amarela.

“Quando falo para elas [atletas de vôlei] que foi aqui [no Centro Olímpico] que eu comecei, acho que cria uma expectativa boa para poderem se imaginar na mesma situação que eu [campeã olímpica]. Eu olho para elas e me vejo, na verdade. Eu vejo a minha história começando”, disse Fofão.

“Então, se tornar uma referência positiva me dá muita alegria. Eu realmente trabalhei não só para ser uma campeã nas quadras, mas também para poder modificar através da imagem essas crianças que terão o mesmo sonho que o meu”, completou a campeã olímpica, que iniciou sua formação no vôlei no Centro Olímpico.

Publicidade

A ex-levantadora ainda aproveitou para comentar sobre o atual momento da seleção brasileira e falou da expectativa para o próximo ciclo olímpico, para Paris 2024. “Eu espero uma seleção com muita vontade e dedicação. É um momento de renovação muito forte que o time está passando, e isso sempre traz uma certa insegurança, pela falta de experiência e de vivenciar uma Olimpíada. O que não pode faltar é raça e vontade: é a expectativa que todos têm quando se trata do vôlei feminino”, avaliou

 

Publicidade