2ª torre de TV atacada na Ucrânia deixa nove mortos

A capital de Kiev, também teve uma torre de TV atacada pelas forças russas

2-torre-de-tv-atacada-na-ucrania-deixa-nove-mortos
Os russos tentam destruir os meios de comunicação dos ucranianos (Crédito: Spencer Platt/Getty Images)

A 2ª torre de TV atacada por bombardeios russos na Ucrânia, deixou nove mortos e nove feridos. Nesta segunda-feira (14), o governador de Rivne, no norte da Ucrânia informou sobre o ataque aéreo a uma torre de televisão da região e afirmou sobre as vítimas constatadas. Vitaliy Koval, disse em um post que ainda há pessoas sob os escombros.

Publicidade

A capital de Kiev já havia tido uma torre de TV, atacada por forças russas, onde pelo menos cinco pessoas foram mortas durante os ataques. Os russos tentam destruir a infraestrutura e os meios de comunicação dos ucranianos. De acordo com à CNN, os principais pontos de combate, nesta segunda-feira (14) são quatro principais pontos como: Kiev, Mikolaiv, Donetsk e Mariupol.

Segundo as autoridades, a cidade de Mariupol, que está cercada por tropas russas a vários dias, teve pelo menos 2.500 mortos civis, devido aos ataques russos. Na região de Kiev houve um ataque contra um apartamento, no qual uma pessoa morreu e na cidade de Mikolaiv houveram duas mortos e dez feridos na ofensiva desta segunda-feira (14).

Em relação ao ataque em uma 2ª torre de TV na Ucrânia, até o momento estas são às informações.

Conflito Rússia e Ucrânia

No dia 24 e fevereiro, o governo russo invadiu à Ucrânia e bombardeou regiões do país. Após várias ameaças Vladimir Putin autorizou os ataques por terra, ar e mar. Alguns dos motivos pelo qual esta invasão aconteceu é a aproximação da Ucrânia com o Ocidente.

Publicidade

O presidente da Rússia, Vladimir Putin não aceita que a Ucrânia entre para OTAN. Além disso, Putin quer aumentar o seu poder de influência na região. A Rússia e a Ucrânia já passaram por outros conflitos. Por mais que hoje, a Ucrânia seja independente sua relação com a Rússia não é totalmente resolvida.

*Este texto contém informações retiradas da CNN Brasil.

Publicidade