Opinião

A fotografia diante da dor alheia

*Por Diego F. Barros – Sociólogo. Especialista em questões culturais.

A fotografia diante da dor alheia
Ucrânia, 2022 (Crédito: Alexey Furman/ Getty Images)

“A fotografia é como uma citação, uma máxima, um provérbio. Susan Sontag”

Publicidade

Depois de observar as crônicas e os testemunhos visuais do terrível massacre perpetrado por Putin em Bucha, na Ucrânia, um amigo afirmou – em uma reflexão que vacilou entre ceticismo e resignação – que Picasso havia falhado em sua contribuição para quais tragédias desse tipo deixou de ocorrer quando ele pintou Guernica após o bombardeio da cidade basca em 1937.

De qualquer forma, as imagens dos campos de concentração difundidas após o fim da Segunda Guerra Mundial; a foto dolorosamente emblemática daquelas crianças nuas escapando de bombas de napalm durante a Guerra do Vietnã ou, ainda, aqueles testemunhos visuais que vemos novamente nestes dias de corpos mutilados ou rostos esmagados pelo desespero de meninos de vinte anos nas trincheiras que Malvinas também estar lá para confirmar o julgamento cético formulado por este querido amigo.

Com efeito, as imagens das guerras – e não apenas as das guerras, mas todas e cada uma daquelas que ao longo do tempo deram conta de até onde pode chegar a miséria humana depois de Picasso – parecem confirmar não apenas que nada aprendemos, mas pode aprender nada.

No entanto, essa compulsão persistente de testemunhar por meio de imagens que mesmo em sua crueza não são – nunca poderão ser – mais cruas do que a crueza da realidade que retratam, talvez nos diga o contrário. Ou pelo menos o essencial que seja o contrário.

Publicidade

Foi sem dúvida a grande escritora norte-americana Susan Sontag quem, com a sua habitual radicalidade e incisão, tematizou, em dois momentos distintos da sua vida, o estatuto e, sobretudo, o efeito possível que a obtenção e divulgação massiva de imagens dos repetidos crimes do guerra poderia ter quando se trata de abalar a sensibilidade de cada um de nós “diante da dor dos outros”, nas palavras da própria Sontag.

Em seu primeiro livro dedicado a esse assunto, Sontag captou a natureza ao menos ambivalente da fotografia e questionou sua identificação linear e inalterada como reprodutora da realidade. Nessa linha, Sontag foi ainda mais longe ao denunciá-lo, de alguma forma e compará-lo a imagens pornográficas, como anestesista de sensibilidades. Assim, em On Photography, livro de 1977, e analisando o lugar que a fotografia ocupou na história norte-americana, ele também descobriu a condição “predatória” do próprio processo de registro das imagens no momento da ocupação. território conquistado. Sontag afirmou nesse texto: “Ao nos ensinar um novo código visual, as fotografias alteram e expandem nossas noções do que vale a pena olhar e do que temos o direito de observar. São uma gramática e, sobretudo, uma ética da visão. Finalmente, o resultado mais impressionante do esforço fotográfico é nos dar a impressão de que podemos conter o mundo inteiro em nossas cabeças, como uma antologia de imagens”.

A Guerra do Golfo –talvez a primeira cujo curso foi seguido pela mídia e, consequentemente, vivenciado por muitos apenas através das imagens– foi a grande oportunidade de Sontag para mais uma vez submeter à discussão o status das imagens e, muito mais especificamente, das imagens que são destinado a dar conta de uma realidade sinistra. Desta vez, em Antes da dor dos outros, publicado vinte e oito anos depois, Sontag afirmou: “As fotografias dos atrozes ilustram e também corroboram. Ignorando as disputas sobre o número preciso de mortos […] a fotografia oferece a amostra indelével”.

Publicidade

As imagens recém-divulgadas, que parecem nos notificar implacavelmente de um novo capítulo na história das monstruosidades de que somos capazes, parecem colocar mais uma vez em questão o status sóbrio que esses registros teriam em nossas consciências sobre os acontecimentos que, alguns pela primeira vez e outros mais uma vez, temos que viver.

De qualquer forma, essas novas imagens de horror parecem nos reafirmar na visão de Sontag como um clássico – segundo Calvino, “aquele livro que nunca termina de dizer o que tem a dizer” – e que talvez ajude a reverter o espírito cético com que este abriu-se a reflexão em relação à “utilidade” das expressões artísticas como “formas de leitura” (e porque não de denúncia) do mundo. No caso das fotografias e na sequência de Sontag: “o que determina a possibilidade de ser moralmente afetado pelas fotografias é a existência de uma consciência política relevante. Sem política, as fotografias da história do matadouro serão, com toda a probabilidade, simplesmente experimentadas como golpes emocionais irreais ou desmoralizantes.”

Uma nova oportunidade, em todo caso, para que a política seja preenchida, de novo e com mais força, com aquela verdadeira e indispensável necessidade de conscientizar e lidar com a “dor dos outros”. Bem-vindos, mais uma vez, as imagens –mesmo as mais atrozes – se em última análise contribuem para isso.

Publicidade

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.

Publicidade