Sobrevivente dos campos de concentração da Segunda Guerra é morto na Ucrânia

Boris tinha 96 anos e foi morto em um bombardeio na cidade de Kharkiv

sobrevivente-dos-campos-de-concentracao-da-segunda-guerra-e-morto-na-ucrania
Boris Romantchenko tinha 96 anos. (Crédito: Reprodução/Twitter/Stift. Gedenkstätten Buchenwald und Mittelbau-Dora)

O sobrevivente de quatro campos de concentração nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, Boris Romantchenko, foi morto na última sexta-feira (18) em um bombardeio russo contra edifícios residenciais em Kharkiv, no leste da Ucrânia.

Publicidade

Romantchenko tinha 96 anos e estava em seu apartamento quando o seu prédio foi atingido. Sua morte foi divulgada nesta segunda-feira (21) por Jens-Christian Wagner, diretor da fundação que administra os memoriais dos campos de concentração de Buchenwald e Mittelbau-Dora.

No início da guerra da Ucrânia, Wagner já havia manifestado preocupação com os sobreviventes do campo de concentração que vivem no país. É “particularmente trágico para os ucranianos sobreviventes de campos de concentração, que sofreram ao lado de prisioneiros russos nesses campos e que agora estão em abrigos antiaéreos com suas vidas ameaçadas por bombas russas”, afirmou o diretor da fundação.

Romantchenko foi sobrevivente dos campos de concentração de Buchenwald, Peenemünde, Mittelbau-Dora e de Bergen-Belsen. Boris também era vice-presidente do comitê internacional Buchenwald-Dora e, desde a década de 90, participava regularmente de eventos no local onde ficava o campo de Buchenwald.

Em 2012, Romantchenko havia feito a leitura do juramento de Buchenwald, que propunha “construir um novo mundo de paz e liberdade”. Nos últimos meses, porém, ele havia saído pouco de seu apartamento em Kharkiv, com medo de contrair Covid-19.

Publicidade

Tradução do post da Fundação Buchenwald und Mittelbau-Dora no Twitter: ”Como soubemos de seus parentes, nosso amigo Boris Romantchenko, que sobreviveu aos campos nazistas de #Buchenwald, #Peenemünde, #Dora e #BergenBelsen, morreu na sexta-feira passada em uma explosão de bomba em sua casa em Kharkiv. Estamos profundamente entristecidos.”

Publicidade