Opinião

Aqueles deixados para trás pela guerra

*Por Natalie Roberts – Médica britânica. Diretora do Crash Studies, grupo de reflexão dos Médicos Sem Fronteiras.

Aqueles deixados para trás pela guerra
Maria Lebid, 94 anos, pegou uma arma para o Exército Vermelho na Segunda Guerra Mundial, está em um lar de idosos nos arredores de Kiev, na Ucrânia (Crédito: Alexey Furman/ Getty Images)

Minha primeira impressão da região de Kiev foi a de um êxodo. No início de março, enquanto descíamos a rodovia do oeste em direção à capital, longas filas de carros seguiam na direção oposta. A maioria deles tinha a palavra “crianças” escrita em seus para-brisas, esperando que isso os protegesse das balas russas. Cada um estava cheio de pessoas, pertences e animais de estimação. Se não fossem as sirenes de ataque aéreo, os postos de controle e a neve, poderíamos imaginar que eram famílias saindo de férias.

Publicidade

Logo entendi que essas pessoas eram as mais sortudas. Jovens, mulheres e crianças e pessoas com acesso a um carro e dinheiro puderam fugir para o oeste da Ucrânia e países vizinhos, enquanto os idosos, pessoas com deficiência, pacientes com distúrbios psiquiátricos e doentes crônicos não puderam sair: eles eram os “abandonado” da guerra. Portanto, mesmo nas áreas ocupadas pelas forças russas, como Makariv, Borodianka, Irpin e Bucha, um número significativo de seus habitantes permaneceu.

Sobreviver

O mundo ficou horrorizado com as imagens de civis massacrados nas ruas de Bucha, mas atenção especial agora deve ser dada aos sobreviventes. Durante um mês, foi impossível para qualquer pessoa entrar nessas áreas e foi muito difícil sair delas. Os idosos que moram sozinhos, os doentes e as pessoas com deficiência simplesmente não tiveram a oportunidade de fugir.

Algumas pessoas conseguiram se refugiar em seus porões, mas outras não tinham mobilidade suficiente para sair de seus apartamentos. Todos eles ficaram presos em uma situação de extrema violência. Aqueles que se aventuraram correram o risco de serem alvejados por soldados ou tanques russos. Os fornecimentos de eletricidade, gás e água foram cortados. Hospitais e centros de saúde foram danificados ou destruídos e os funcionários fugiram, cortando todo o acesso aos cuidados de saúde. Hipotermia, estresse e falta de acesso aos cuidados de saúde levaram à descompensação aguda de doenças crônicas, fazendo com que as pessoas sofressem ataques cardíacos e derrames. Muitos profissionais de saúde suspeitam que a mortalidade relacionada a essas doenças entre esse grupo de pessoas particularmente vulnerável será, de fato, maior do que a diretamente relacionada à violência.

Em áreas que retornaram ao controle ucraniano, como Makariv, Borodianka e as cidades ao norte de Fastiv, equipes de MSF começaram a apoiar médicos e autoridades locais para fornecer assistência médica, tentando localizar e estabilizar os doentes antes de transferi-los para o hospital Fastiv. A MSF também está ajudando o hospital a lidar com o aumento da demanda por atendimento, doando medicamentos e equipamentos e organizando visitas de um fisioterapeuta e psicólogo. Planejamos expandir essas atividades para áreas mais ao norte de Kiev e para Chernigov, onde o acesso agora é possível.

Publicidade

Ao sul de Kiev, em Bila Tserkva, Hrebinky e Ksaverivka, grande parte da população fugiu, temendo a possibilidade de um rápido avanço das tropas russas. Mais uma vez foram as pessoas mais vulneráveis, os idosos e os doentes, que ficaram para trás. Hospitais e centros de saúde foram obrigados a suspender todos os cuidados não emergenciais e se preparar para receber os feridos.

Assistência médica

O acesso aos cuidados de saúde, incluindo os cuidados primários, tornou-se extremamente difícil. As farmácias fecharam ou estão sem estoque de medicamentos básicos. A venda de álcool foi proibida, então os alcoólatras começaram a sofrer de síndrome de abstinência aguda, situação que pode levar à morte. Os assistentes sociais, sem acesso a combustível, recorreram ao uso de bicicletas, mas toques de recolher frequentes, restrições de movimento e postos de controle os impedem de alcançar pessoas acamadas ou acamadas com bastante frequência. Esses mesmos assistentes sociais apontaram o paradoxo de que enquanto os hospitais funcionais permanecem vazios, esperando os feridos, os doentes são condenados a ficar em casa.

Algumas pessoas também permaneceram nessas áreas devido a doenças crônicas, como insuficiência renal ou câncer, que as tornam dependentes de diálise ou quimioterapia. Sem nenhuma garantia de que terão acesso a esses serviços se fugirem para o oeste do país ou para o exterior, ficam presos e suas famílias muitas vezes estão com eles. O diretor da Nezabutni, uma fundação de caridade ucraniana que apoia idosos e seus cuidadores em todo o país, me disse que, mesmo em lugares que estão sendo fortemente bombardeados, as famílias de pessoas com demência geralmente optam por não aturar cobertura quando os alarmes soam. Pois a desorientação e a angústia de ficar confinado a um bunker lotado repetidamente é traumática demais para os mais frágeis. Eles preferem esperar que seja um alarme falso do que arriscar uma descompensação irreversível do estado de seu ente querido.

Publicidade

Solidariedade

Fiquei impressionado com a solidariedade demonstrada pelos cuidadores que se recusaram a permitir que essas pessoas fossem abandonadas. Repetidas vezes ouvi as pessoas explicarem que poderiam ter ido embora, mas ficaram para ajudar os mais vulneráveis. O prefeito e os habitantes de Fastiv que, graças a uma impressionante mobilização de voluntários, já recebiam os deslocados de cidades ocupadas próximas, como Makariv ou Borodianka, tentavam encontrar uma maneira de evacuar a população dessas áreas. Assistentes sociais, muitas vezes mulheres de meia-idade com suas próprias famílias, trabalharam dia e noite para tentar identificar e alcançar todas as pessoas que estavam presas em suas casas. Redes de voluntários tentaram obter remédios nas farmácias e entregá-los nas casas de pessoas carentes, junto com alimentos e outros bens essenciais. A equipe da casa de repouso permaneceu em guarda, mesmo com medo de que a luta estivesse se aproximando.

A mobilização da sociedade civil que tenho visto na região de Kiev também está sendo replicada em áreas como Chernigov, Kharkov e outras partes do leste do país.

O que fazer

O que organizações como os Médicos Sem Fronteiras (MSF) podem fazer nessa situação? Nove milhões de pessoas na Ucrânia têm mais de 60 anos e muitas estão isoladas desde o início da guerra. Temos que dar atenção especial a eles e seus cuidadores.

Publicidade

Podemos apoiar a evacuação de pessoas idosas e deficientes perto da linha de frente para acomodações adequadas em áreas mais seguras do país. Essa mesma acomodação poderia abrigar pessoas que sofreram traumas profundos em lugares como Bucha. MSF pode desempenhar um papel importante na colaboração com os serviços sociais ucranianos para estabelecer e apoiar essas estruturas e ajudar nas evacuações médicas. Também podemos apoiar farmácias administradas por voluntários para garantir que tenham um suprimento adequado de produtos farmacêuticos, incluindo medicamentos para doenças crônicas.

Além disso, planejamos apoiar financeira e tecnicamente uma plataforma digital desenvolvida por Nezabutni que permitiria que idosos e suas famílias se beneficiem de teleconsultas e acesso a informações sobre assistência específica que está disponível para eles, mesmo em um contexto tão incerto e instável.

É por meio da agilidade e criatividade que uma organização médica de emergência como MSF pode ser mais útil no contexto de guerra em rápida mudança. As necessidades de longo prazo estão começando a surgir, o que significa que devemos nos comprometer agora, especialmente em apoio a todas as pessoas vulneráveis ​​que ficaram para trás.

Publicidade

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.