Daguestão

Ataques a igrejas e sinagogas deixa dezenas de mortos na Rússia

As ofensivas ocorreram em duas das principais cidades da república, Derbent e Makhachkala

O número de mortos em uma série de ataques coordenados a igrejas e sinagogas no Daguestão, região majoritariamente muçulmana da Rússia, subiu para 20 na segunda-feira (24).
Região do Daguestão é majoritariamente muçulmana – Créditos: X/Reprodução

O número de mortos em uma série de ataques coordenados a igrejas e sinagogas no Daguestão, região majoritariamente muçulmana da Rússia, subiu para 20 na segunda-feira (24). Os ataques ocorreram em duas das principais cidades da república, Derbent e Makhachkala.

Publicidade

Homens com armas automáticas invadiram uma igreja ortodoxa e uma sinagoga na cidade antiga de Derbent, na noite de domingo. Eles incendiaram um ícone na igreja e mataram o sacerdote ortodoxo de 66 anos, Nikolai Kotelnikov.

Em Makhachkala, cerca de 125 km ao norte, na costa do Mar Cáspio, os atiradores dispararam contra um posto de polícia de trânsito e atacaram uma igreja. Tiroteios ocorreram ao redor da Catedral da Assunção, com tiros pesados de armas automáticas ressoando até tarde da noite. Imagens mostraram moradores correndo para se proteger enquanto colunas de fumaça subiam acima da cidade.

O comitê de investigação da Rússia informou que 15 policiais e quatro civis foram mortos. O Ministério da Saúde do Daguestão relatou que mais 46 pessoas ficaram feridas. Pelo menos cinco atiradores foram mortos, com alguns corpos exibidos na calçada pela mídia local.

“Este é um dia de tragédia para o Daguestão e para todo o país”, declarou Sergei Melikov, chefe da região do Daguestão, durante uma visita à sinagoga e à igreja atacadas em Derbent na segunda-feira. Melikov afirmou que forças estrangeiras estavam envolvidas na preparação do ataque, mas não forneceu detalhes adicionais. “Esta é uma tentativa de dividir nossa unidade”, acrescentou.

Publicidade

O Daguestão anunciou três dias de luto, com fotos dos policiais mortos alinhadas nas ruas, acompanhadas de cravos vermelhos. O presidente Vladimir Putin, que há muito acusa o Ocidente de tentar incitar o separatismo no Cáucaso, enviou suas condolências às famílias das vítimas.

Daguestão

O Daguestão, uma república majoritariamente muçulmana do Cáucaso do Norte da Rússia, é um mosaico de grupos étnicos, línguas e regiões, situado entre o Mar Cáspio e o Mar Negro, à sombra das montanhas do Cáucaso. O ataque a locais de culto cristãos e judeus gerou temores de que a Rússia possa enfrentar uma nova ameaça militante islâmica, apenas três meses após um ataque mortal em Moscou, onde 145 pessoas foram mortas no salão de concertos Crocus, em um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico.

Em outubro, após o início da guerra em Gaza, manifestantes com bandeiras palestinas quebraram portas de vidro e invadiram o aeroporto de Makhachkala, procurando passageiros judeus em um voo de Tel Aviv.

Publicidade

O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, condenou o ataque e expressou suas condolências, segundo um porta-voz.

Derbent, uma das cidades continuamente habitadas mais antigas do mundo, abriga uma antiga comunidade judaica e um sítio do Patrimônio Mundial da UNESCO. Investigadores russos classificaram o incidente como um ataque “terrorista”, sem fornecer detalhes sobre os agressores.

A mídia estatal russa relatou que dois filhos de Magomed Omarov, chefe do distrito de Sergokala, no centro do Daguestão, estavam entre os atiradores. Eles foram mortos, e seu pai foi detido, segundo a mídia estatal.

Sergei Melikov anunciou que os dias 24 a 26 de junho foram declarados dias de luto no Daguestão, com bandeiras a meio-mastro e todos os eventos de entretenimento cancelados.

O império russo expandiu-se para o Cáucaso no final do século XVIII e início do século XIX, mas uma insurgência após a queda da União Soviética em 1991 levou a duas guerras. Em agosto de 1999, o combatente checheno Shamil Basayev liderou lutadores para o Daguestão em uma tentativa de ajudar fundamentalistas wahhabistas, desencadeando uma grande campanha de bombardeio pelo exército russo antes da Segunda Guerra Chechena.

Siga a gente no Google Notícias

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber grátis o Menu Executivo Perfil Brasil, com todo conteúdo, análises e a cobertura mais completa.

Grátis em sua caixa de entrada. Pode cancelar quando quiser.