Em meio às tensões com a Ucrânia, Putin anuncia parceria com a China

Xi Jinping e Putin disseram que não irão tolerar tentativas estrangeiras de minar a estabilidade de seus países

em-meio-as-tensoes-com-a-ucrania-putin-anuncia-parceria-com-a-china
Vladimir Putin, presidente da Rússia, durante a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022 no Estádio Nacional de Pequim em 04 de fevereiro de 2022 em Pequim, China. (Crédito: Matthew Stockman/Getty Images)

O presidente russo, Vladmir Putin, se encontrou nesta sexta-feira (4) com o presidente da China, Xi Jinping. Durante a reunião, os dois líderes anunciaram uma profunda parceria estratégica, que “não tem limites”.

Publicidade

“A amizade entre os dois Estados não tem limites, não há áreas ‘proibidas’ de cooperação”, declararam as duas potências em um comunicado conjunto após a reunião.

Xi Jinping e Putin disseram que não irão tolerar tentativas estrangeiras de minar a estabilidade de seus países e que vão combater possíveis interferências em suas áreas de influência.

“A Rússia e a China pretendem combater a interferência de forças externas nos assuntos internos de países soberanos sob qualquer pretexto”, diz o comunicado. “Ambos se opõem às ‘revoluções coloridas’ e aumentarão a cooperação nas áreas mencionadas”.

O termo ‘revoluções coloridas’ se refere às manifestações políticas de oposição nas ex-repúblicas soviéticas que aproximaram Geórgia, Ucrânia e Quirguistão dos EUA nos anos 2000.

Publicidade

Tanto a China como a Rússia acusam os EUA de interferir em assuntos internos e estratégicos para as duas potências. Os chineses acusam os Estados Unidos de fomentar os protestos de Hong Kong e apoiarem a independência de Taiwan. Já Putin acusa os americanos de desestabilizar a Ucrânia.

O encontro dos líderes ocorre em meio à crescente tensão da Rússia com a Ucrânia. Na semana passada, a China já havia dito que as preocupações da Rússia sobre a Ucrânia deveriam ser levadas a sério.

Xi Jinping afirmou que os dois países se apoiarão “resolutamente” na defesa de interesses centrais e aprofundarão a coordenação estratégica mútua. Disse também que essa cooperação estratégica é “inabalável, passada, presente e futura”.

Publicidade