Enquanto Boris Johnson se recupera de escândalos, alguém está tramando para tomar seu lugar?

Uma questão-chave é: os resultados de uma investigação sobre os partidos em Downing Street levarão um colega conservador a agir contra o primeiro-ministro Boris Johnson?

Enquanto Boris Johnson se recupera de escândalos, alguém está tramando para tomar seu lugar?
A fragilidade da situação de Johnson ficou evidente na resposta cautelosa dos membros mais antigos de seu gabinete (Crédito: Christopher Furlong – WPA Pool /Getty Images)

O primeiro-ministro Boris Johnson pode ter cruzado um Rubicão político nos últimos dias por estar no meio de escândalos após acusações de que ele mentiu sobre as festas de Downing Street durante a pandemia. Mas se ele tiver que sair do poder, esta decisão pode depender se um de seus colegas conservadores está ou não pronto para desempenhar o papel de “Brutus”.

Publicidade

Enquanto o “establishment” político britânico aguarda os resultados de uma investigação interna dos partidos, uma questão-chave é se isso desencadeará um complô contra Johnson e, em caso afirmativo, quem daria o primeiro passo contra ele?

Não faltam candidatos:  desde o ambicioso chanceler do Tesouro, Rishi Sunak, até a secretária de Relações Exteriores, Liz Truss. Mas as táticas e o momento de um desafio de liderança são “diabolicamente” complicados, e poucos esquecem a velha máxima britânica: “Aquele que empunha a faca nunca usa a coroa”.

Isso pode explicar a calmaria desconfortável que se estabeleceu em Westminster desde a semana passada, quando Johnson foi forçado a se desculpar por reuniões sociais em Downing Street que violavam as restrições de bloqueio. Seus aliados e rivais estão esperando para ver o quão prejudicial será a investigação, o quanto o Partido Conservador caiu nas pesquisas e se um assassino político de reis surgirá.

“É fácil julgar essas coisas olhando para trás, mas muito difícil para frente”, disse Robert Ford, professor de ciência política da Universidade de Manchester. O dilema, disse ele, foi particularmente agudo para Sunak, que lidera as pesquisas de membros do Partido Conservador e é o substituto mais plausível de Johnson.

Publicidade

“Existe uma possibilidade de que Sunak esteja surfando na crista de uma onda agora” e possa perder sua chance, disse o professor Ford. Mas talvez o maior perigo seja atacar agora, apenas para abrir caminho para um rival de direita mais favorecido pelas bases do Partido Conservador.

“Existe o risco de ele ser superado por Truss ou outra pessoa”, disse ele, acrescentando que um desafio a Johnson pode ser mais provável após as eleições locais em maio, que testarão a popularidade de seu partido.

A fragilidade da situação de Johnson ficou evidente na resposta cautelosa dos membros mais antigos de seu gabinete. Embora Sunak tenha dito na terça-feira que acredita em Johnson, ele pediu ao público que espere pelas conclusões da investigação. Ele também disse que o código ministerial da Grã-Bretanha era claro sobre as consequências de mentir ao Parlamento: o primeiro-ministro teria que renunciar.

Publicidade

Truss, que Johnson elevou a secretária de Relações Exteriores em setembro, foi mais aberta. Ela disse na semana passada que “100% o apoiou a continuar com o trabalho”. Mas ela acrescentou: “Eu entendo completamente a raiva e o desânimo das pessoas sobre o que aconteceu”.

A causa de Johnson não teve êxito quando seu ex-conselheiro descontente, Dominic Cummings, afirmou na segunda-feira que ele e outra autoridade alertaram o primeiro-ministro que a festa em maio de 2020 quebraria as regras de bloqueio e deveria ser cancelada. Isso contradiz a alegação de Johnson no Parlamento de que ele não foi avisado sobre a reunião e a viu “implicitamente” como um evento de trabalho.

Em uma visita a um hospital na terça-feira (18), Johnson novamente negou enganar o Parlamento. Mas em uma entrevista à Sky News, ele desviou uma pergunta sobre se Cummings estava mentindo, e ele se desculpou mais uma vez por “erros de julgamento” em como as reuniões sociais eram tratadas por Downing Street. “Boris Johnson não vai renunciar voluntariamente”, disse Jonathan Powell, que foi chefe de gabinete do primeiro-ministro Tony Blair.

Publicidade

Em sua visita, Boris Johnson publicou em seu Twitter “Centros de diagnóstico comunitários como o que visitei em Finchley hoje permitem verificações mais próximas de sua casa e diagnóstico e tratamento mais rápidos. Eles serão vitais para reduzir as listas de espera do NHS. Estamos investindo £ 2,3 bilhões na abertura de 100 centros como este até 2025.”

“Ele só vai se for levado pela sua própria equipe.”

Publicidade

Isso não é tão difícil como costumava ser: sob as regras do Partido Conservador, os legisladores podem realizar um voto vinculativo de desconfiança em Johnson se 54 deles escreverem para solicitar formalmente um. As cartas de solicitação são confidenciais. Até agora, apenas seis conservadores no Parlamento pediram publicamente a saída de Johnson.

Em um voto de desconfiança, realizado por votação secreta, Johnson manteria seu emprego conquistando uma maioria simples dos legisladores conservadores. Ele estaria a salvo de outro desafio por um ano, a menos que as regras fossem alteradas.

*Por Mark Landler e Stephen Castle – The New York Times.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.