Famílias de ucranianos e russos serão levadas para Via Crucis pelo papa Francisco

Um dos principais ritos da Semana Santa, ato será realizado no Coliseu de Roma após dois anos acontecendo na Praça São Pedro, por causa da pandemia da Covid-19

Famílias de ucranianos e russos serão levadas para Via Crucis pelo papa Francisco
Essa estação tem como tema a morte de Jesus na cruz, e o texto vai tentar buscar como tudo pode mudar “em poucos segundos” (Créditos: Michael Campanella/Getty Images)

Uma família de russos e outra de ucranianas vão levar uma cruz que simboliza o calvário de Jesus Cristo na Via Crucis presidida pelo papa Francisco. Na próxima sexta-feira (15) às 21h15 (horário local), acontece um dos principais ritos da Semana Santa, no Coliseu de Roma, depois de dois anos acontecendo na Praça São Pedro e com público reduzido por causa da pandemia da Covid-19.

Publicidade

A Viva Crucis ela se divide em 14 estações, em cada uma delas é lida uma meditação por uma ou mais pessoas. Como a Igreja Católica dedica o ano de 2022 às famílias, o Papa decidiu confiar os textos deste ano a núcleos familiares ligados a associações religiosas de voluntariado.

Segundo um programa divulgado pelo Vaticano nesta segunda-feira (11), a meditação da 13ª estação será lida por uma família da Ucrânia e outra da Rússia, como forma de transmitir uma mensagem de união e paz em meio à guerra entre os dois países.

Essa estação tem seu tema a morte de Jesus na cruz, e o texto vai tentar buscar como tudo pode mudar “em poucos segundos”. “A existência, os dias, brincar com a neve de inverno, ir buscar os filhos na escola, o trabalho, os abraços, as amizades… tudo. Inesperadamente tudo perde valor”, diz a meditação.

O texto continua com falas sobre a falta de vontade de continuar a sonhar e a viver e sobre como a raiva dá lugar à resignação. “Acordamos de manhã e sentimo-nos felizes por alguns segundos, mas logo a seguir pensamos como será difícil reconciliar-nos. Senhor, onde estais? Falai no silêncio da morte e da divisão e ensinai-nos a fazer a paz, a ser irmãos e irmãs, a reconstruir aquilo que as bombas teriam querido aniquilar”, acrescenta.

Publicidade

Não só ucranianos e russos, mas as estações da Via Crucis do papa Francisco vão ter meditações lidas por “um casal de jovens esposos, uma família em missão, esposos idosos sem filhos, uma família numerosa, uma família com um filho portador de deficiência, uma família que gere uma casa de acolhimento, uma família com progenitor doente, um casal de avós, uma família adotiva, uma viúva com filhos, uma família com um filho consagrado e uma família que perdeu uma filha”.

“A Sala de Imprensa da Santa Sé publica neste dia 11 de abril quais serão as famílias que carregarão a Cruz durante a Via Crucis na próxima sexta-feira que acontecerá no Coliseu Romano com a presença do Papa Francisco.”

Publicidade