Guerra na Ucrânia muda agenda no Congresso e fortalece o Centro

Com uma crise abalando a Europa, a esquerda está arquivando as demandas por cortes na defesa e um fim rápido aos combustíveis fósseis, enquanto à direita, a política externa da era Trump e as críticas à Ucrânia estão desaparecendo

guerra-na-ucrania-muda-a-agenda-no-congresso-fortalecendo-o-centro
Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky (Crédito: Matt Dunham – Pool / Getty Images)

A guerra na Ucrânia mudou a agenda no congresso. A crescente crise na Ucrânia está derrubando a política e o pensamento político tanto à esquerda quanto à direita no Capitólio, como uma ameaça imediata à ordem global e os preços crescentes da energia fortalecem o centro político às custas dos flancos dos dois partidos.

Publicidade

Quando os legisladores se reunirem na quarta-feira (16), para um discurso virtual do presidente Volodymyr Zelensky da Ucrânia, republicanos e democratas estarão enfrentando um ambiente alterado, para melhor e para pior.

“Está reunindo o Congresso de uma maneira que, francamente, não vi em meus 12 anos”, disse o senador Chris Coons, democrata de Delaware e confidente do presidente Biden, na terça-feira sobre o consenso para apoiar a Ucrânia. “Você teria que voltar ao 11 de setembro para ver um compromisso tão unificado.”

Isso significou um recuo de ambos os partidos das propostas políticas e mensagens políticas que mais emocionam seus principais apoiadores. À esquerda, os democratas estão concordando com gastos militares mais altos e abandonando uma tentativa de recuar rapidamente dos combustíveis fósseis. À direita, o isolacionismo da era Trump e os ataques à aliança transatlântica estão sendo relegados à margem do Congresso. Os planos para colocar o filho do presidente, Hunter Biden, e a corrupção ucraniana na frente e no centro de uma Câmara controlada pelos republicanos agora parecem absurdos.

“É aterrador”, disse o deputado Peter Meijer, republicano de Michigan, que já foi analista de inteligência no Afeganistão e agora enfrenta um adversário à sua direita endossado pelo ex-presidente Donald J. Trump. “Você pode propor algo que ultrapasse os limites da realidade, tudo bem. Então você olha para o que está acontecendo na Ucrânia, e é como um acidente de carro, uma experiência de quase morte que o traz de volta à realidade.”

Publicidade

Zelensky deve reiterar nesta quarta-feira (16), seu pedido de uma troca complicada que enviaria caças MIG da Polônia para a Ucrânia e caças F-16 fabricados nos EUA para a Polônia. Isso pode levar a acusações de alguns republicanos de que o governo Biden, que se opôs à troca como uma perigosa escalada do conflito sem propósito militar real, é brando com a Rússia.

Ele também provavelmente pedirá aos Estados Unidos que ajudem a fechar o espaço aéreo de seu país para aeronaves russas, como fez quando se dirigiu ao Parlamento do Canadá.

Republicanos e democratas questionaram o acordo MIG agora que o Departamento de Defesa levantou preocupações específicas sobre se a Ucrânia poderia pilotar os aviões.

Publicidade

Falando a repórteres, o senador Mitch McConnell, de Kentucky, o líder republicano, disse que Zelensky não obterá apoio do Congresso para a chamada zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia, e sinalizou ambivalência sobre a transferência do caça. Por trás do celofane do Entenmann, uma fatia da vida em Long Island “Exatamente como fazer isso acontecer ainda está em discussão”, disse ele.

Não está claro se o momento equivale a um hiato nas guerras partidárias sobre a segurança nacional. Líderes republicanos continuam a atacar o presidente, acusando-o de ser fraco em relação à Rússia, mimando “petro-ditadores” e traindo a segurança energética dos Estados Unidos.

“O presidente Biden continua a ter essa atitude de ‘Bem, eu não quero ajudar muito a Ucrânia’ porque ele pode ofender Putin”, disse o deputado Steve Scalise, da Louisiana, o segundo republicano, esta semana na Fox Business. referindo-se ao presidente da Rússia, Vladimir V. Putin.

Publicidade

Os democratas estão incrédulos que os republicanos, a grande maioria dos quais não criticou Trump por repetidamente apoiar Putin, minando a Otan e depois retendo a ajuda militar de Zelensky para pressioná-lo a desenterrar sujeira política sobre Biden, tenham a ousadia de questionar a disposição do atual presidente de confrontar a Rússia.

“Se você é um repórter e há uma batalha pelo mundo livre liderada por Zelensky e Biden, você não precisa fingir não lembrar que os republicanos exoneraram Trump por extorquir Zelensky”, disse o senador Brian Schatz, democrata do Havaí.

Mas além dos tiros partidários, há sinais do impacto muito real da guerra. Em dezembro, quando a Câmara aprovou uma legislação de política de defesa autorizando US$ 768 bilhões em gastos militares, 51 democratas votaram contra, principalmente porque viram isso como dinheiro demais. Na semana passada, quando a Câmara financiou os militares e forneceu ainda mais dinheiro – US$ 782 bilhões e bilhões a mais para a Ucrânia, o número de democratas votando na oposição caiu para 15.

Publicidade

“Os orçamentos de defesa devem ser orientados por nossas necessidades, não por algum alvo artificial, mas está bem claro que estamos vivendo em um momento perigoso”, disse o deputado Tom Malinowski, de Nova Jersey, um democrata em uma difícil luta pela reeleição.

A deputada Pramila Jayapal, democrata de Washington e chefe do Congressional Progressive Caucus, admitiu que a crise atual minou o impulso, pelo menos por enquanto, dos esforços para reduzir os gastos militares.

“Acho que a Ucrânia apenas tornou as coisas mais difíceis”, disse ela. “Pensamos que, com o fim da guerra no Afeganistão, poderíamos pressionar por uma redução real no orçamento de defesa, e haverá outra oportunidade. Mas veja, esta é uma batalha épica.”

Os republicanos estão recebendo sua própria verificação da realidade. Sob Trump, uma facção crescente do partido estava pressionando o isolacionismo, questionando alianças e pactos comerciais e pressionando uma agenda “America First” que se encaixaria bem no clima nacional que antecedeu a Segunda Guerra Mundial, disse Meijer.

Nos últimos dias, o deputado Tom Cole, de Oklahoma, um republicano tradicionalista, sentou-se com a embaixadora alemã nos Estados Unidos para agradecê-la pelo compromisso de seu país com a defesa da OTAN e sua ajuda à Ucrânia.

Em uma entrevista, Cole até sugeriu reviver a Parceria Trans-Pacífico, um pacto comercial histórico negociado pelo presidente Barack Obama que teria unido as economias da Ásia, Austrália, Nova Zelândia, América do Norte e América do Sul para isolar a China. Em um de seus primeiros atos como presidente, Trump arruinou o acordo.

“A Ucrânia tem muitos republicanos repensando a importância das alianças internacionais”, disse Cole. “Outros países nem sempre são um fardo. Eles são muitas vezes um trunfo.”

A fidelidade à política externa de Trump de repente parece uma responsabilidade potencial. O ex-governador Pat McCrory da Carolina do Norte, que está concorrendo à vaga no Senado ocupada por Richard M. Burr, um republicano que está se aposentando, atacou seu oponente primário endossado por Trump, o deputado Ted Budd, como pró-Putin em um novo anúncio neste semana.

“Os votos de Budd foram amigáveis ​​com a Rússia”, diz McCrory no anúncio. “Ele votou contra as sanções à Rússia. Estes são tempos sérios e precisamos de senadores sérios”.

Para os democratas, a mudança de prioridades teve um preço. Seguindo as dicas da ala ambiental de seu partido, Biden esperava afastar os Estados Unidos dos combustíveis fósseis, bloqueando novos arrendamentos para exploração de petróleo e gás em terras federais, abrindo grandes áreas de oceano e terra ao desenvolvimento eólico e solar. e empurrando um cronograma ambicioso para mover o país para carros e caminhões elétricos.

Agora, a indústria de combustíveis fósseis está em ascensão. Mais democratas tradicionais estão usando a linguagem dos republicanos, falando sobre uma estratégia energética “todas as anteriores” que inclui combustíveis renováveis ​​e petróleo e gás. O gás natural é novamente referido como um combustível de “ponte” para a energia limpa, não um inimigo do planeta.

“Alguns de meus colegas estão apresentando uma escolha falsa”, disse o deputado Josh Gottheimer, de Nova Jersey, uma das principais vozes dos democratas centristas. “Você pode ser por energia alternativa e independência energética com objetivos agressivos de longo prazo e por explorar plenamente nossos recursos energéticos domésticos.”

Em reuniões privadas de democratas da Câmara, disse Malinowski, alguns legisladores ainda se manifestam contra a extração de qualquer combustível fóssil, “mas eles não são realmente uma voz poderosa em nossas reuniões”.

Os republicanos têm outras correções de curso para enfrentar. Conservadores como o deputado Jim Jordan de Ohio, o republicano sênior no Comitê Judiciário da Câmara, sinalizaram que querem reviver as investigações de Hunter Biden e do lucrativo assento que ele já ocupou no conselho da Burisma Holdings, uma empresa de gás ucraniana. Com tais investigações viriam acusações de corrupção desenfreada na Ucrânia e acusações infundadas de que a Ucrânia, e não a Rússia, interferiu nas eleições dos EUA em 2016.

Mas a Ucrânia não é o alvo político que já foi. Em uma pesquisa de setembro de 2019 do YouGov, 36% dos eleitores registrados nos Estados Unidos não tinham certeza se a Ucrânia era amigável ou hostil. Apenas 41% chamaram a nação de amiga ou aliada. Em uma nova pesquisa do YouGov, 81% dos eleitores americanos disseram que a Ucrânia era amiga ou aliada, um número que rivaliza ou supera os de parceiros de longa data dos EUA, como França e Japão.

Jayapal alertou que desenterrar o Burisma permitiria aos democratas lembrar à nação que todos os republicanos, exceto o senador Mitt Romney, de Utah, votaram para permitir que Trump ficasse impune por humilhar e forçar Zelensky para seu benefício político pessoal. E o Sr. Cole aconselhou contra tal abordagem.

“As pessoas podem ser um pouco menos propensas a trazer isso à tona”, disse ele sobre a Burisma, especialmente quando os ucranianos são “a ponta da lança contra a agressão russa”.

“São pessoas que compraram para defender seu país com suas vidas, correndo grande risco e sacrifício”, disse Cole. “Não acho que haverá muitas investigações que coloquem a Ucrânia sob uma luz negativa.”

*Por – Jonathan Weisman — The New York Times

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil