“Não gastamos o suficiente em defesa”, diz chanceler britânica

Quando perguntada sobre a possibilidade da criação de espaços aéreos de exclusão, solicitação feita insistentemente pelo presidente ucraniano, Liz Truss afirmou que a melhor forma de garantir a segurança no espaço aéreo da Ucrânia é continuar enviando armamentos antiaéreos e apoio militar e humanitário

“nao-gastamos-o-suficiente-em-defesa”,-diz-chanceler-britanica

A ministra das relações exteriores do Reino Unido, Liz Truss, afirmou que os países do Ocidente não gastaram o suficiente com a defesa nos últimos anos, mas viram o crescimento das capacidades militares da Rússia. Ela estava hoje (9) em Washington, ao lado do secretário de estado americano, Anthony Blinken, em uma coletiva de imprensa.

Publicidade

“Nós recebemos com prazer o anúncio da Alemanha de que vai aumentar os seus gastos [com defesa] e outros países também. Precisamos também aumentar a circulação de informações entre nós. Os Estados Unidos e o Reino Unido têm feito isso, têm compartilhado informações e inteligência. O Reino Unido abandonou suas unidades de informação no final da Guerra Fria. A Rússia não fez isso. Precisamos pensar numa defesa conjunta, em práticas de defesa, informações, para que possamos competir com os russos, estar à frente deles”, afirmou a chanceler.

Quando perguntada sobre a possibilidade da criação de espaços aéreos de exclusão, solicitação feita insistentemente pelo presidente ucraniano, Liz Truss afirmou que a melhor forma de garantir a segurança no espaço aéreo da Ucrânia é continuar enviando armamentos antiaéreos e apoio militar e humanitário. Volodymyr Zelensky, mandatário ucraniano, vem há dias pedindo a criação desse espaço de exclusão aéreo para que aviões de outros países possam sobrevoar a Ucrânia e abater aviões russos que estejam em seu território.

No entanto, os líderes europeus e a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) têm se manifestado firmemente contra essa possibilidade por acreditarem que o envolvimento direto no conflito pode levar a uma guerra de grandes proporções na Europa.

Para Anthony Blinken, o envio de aviões poderia expandir o conflito fazendo com que ele fosse ainda mais letal do que já é. “Não seria nem do interesse dos nossos países, nem da Ucrânia”, afirmou.

Publicidade

“Putin [presidente da Rússia] gostaria de colocar um regime fantoche na Ucrânia e, diante da resposta do povo ucraniano, fica claro que eles não vão aceitar. Se ele tentar, será um longo e sangrento desastre. A nossa resposta é fazer de tudo para garantir que os ucranianos tenham os meios de se defender. Vamos aumentar a pressão sobre a Rússia. Estou totalmente convencido de que Putin vai fracassar. Você pode tomar uma cidade, mas não vai tomar o coração e as mentes do povo ucraniano”, disse Blinken.

(Agência Brasil)

Publicidade