Não temos interesse em uma Terceira Guerra Mundial, diz porta-voz da Casa Branca

Psaki também disse que a China irá enfrentar consequências caso ajude a Rússia militarmente

nao-temos-interesse-em-uma-terceira-guerra-mundial-diz-porta-voz-da-casa-branca
A secretária de imprensa da Casa Branca Jen Psaki e a vice-secretária de imprensa Karine Jean-Pierre chegam para a coletiva de imprensa diária na Casa Branca em 23 de julho de 2021 em Washington, DC. (Crédito: Drew Angerer/Getty Images)

A porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, afirmou nesta segunda-feira (14) que os Estados Unidos não possuem interesse no início de uma Terceira Guerra Mundial e nem no envio de tropas para a guerra na Ucrânia.

Publicidade

Psaki respondia a um questionamento sobre a utilização de armas nucleares pela Rússia na Ucrânia, afirmando que a ação não está de acordo com as normas globais. “Qualquer presidente tem que pensar em como liderar o mundo como deixar claro que essas ações são cruéis, inaceitáveis e não estão em linha com as normas globais. Mas ao mesmo tempo pensar nos nossos interesses nacionais”, declarou a porta-voz.

Dar início a Terceira Guerra Mundial certamente não está no interesse dos Estados Unidos. Trazer soldados norte-americanos para solo ucraniano para combater a Rússia não está em nossos interesses”, acrescentou Psaki.

Consequências de um eventual apoio militar chinês à Rússia

Psaki reafirmou que a China irá enfrentar consequências caso ajude a Rússia militarmente ou não obedeça às sanções que foram estabelecidas contra o país.

“Não vou delinear que consequências específicas, mas o assessor de Segurança na Assembleia disse que se a China fornecer algum tipo de auxílio militar ou vá contra as sanções estabelecidas haverá consequências. Quais serão as consequências serão determinadas no futuro”, disse Psaki.

Publicidade

Segundo o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, a Rússia não solicitou auxílio à China, justificando que o país tem poder militar suficiente para cumprir todos os seus objetivos na Ucrânia.

Tradução do post do The Kyiv Independent no Twitter: ”Financial Times: China pronta para ajudar a Rússia. O FT citou autoridades não identificadas, escrevendo que “os EUA disseram a aliados que a China sinalizou sua disposição de fornecer assistência militar à Rússia para apoiar sua invasão da Ucrânia”.