Toque de recolher para impedir protestos pode afetar jogo do flamengo no Peru

População programa ato contra aumento de combustíveis e governo reage

toque-de-recolher-para-impedir-protestos-pode-afetar-jogo-do-flamengo-no-peru
Essa medida imposta pelo governo peruano, pode afetar inclusive, o jogo do Flamengo (Créditos: Ricardo Moreira/Getty Images)

Pedro Castillo, presidente do Peru, ordenou um toque de recolher na capital Lima, nesta terça-feira (5), onde proibiu as pessoas de deixar suas casas na tentativa de frear protestos contra o aumento dos custos de combustíveis e fertilizantes que se espalharam por todo o país.

Publicidade

“O gabinete concordou em declarar proibição da mobilidade dos cidadãos das 2h às 23h59 de terça-feira, 5 de abril, para proteger os direitos fundamentais de todas as pessoas”, disse Castillo em um discurso transmitido em todo o país pouco antes da meia-noite.

Essa medida imposta pelo governo peruano, pode afetar inclusive, o jogo do Flamengo contra o Sporting Cristal, que está previsto para ocorrer na noite desta terça-feira em Lima. O governo local disse que a partida teria de ser remarcada, porém a Conmebol, federação responsável, estaria buscando outras alternativas como a realização da partida com portões fechados, de acordo com informações de bastidor obtidas pelo ge.

Uma onda de protestos contra o aumento dos preços dos combustíveis e fertilizantes, começou nesta segunda-feira (4), desencadeado pela invasão da Ucrânia pela Rússia, continuou pela segunda semana, enquanto o governo está buscando formas de reduzir os preços.

Os manifestantes queimaram praças de pedágio e entraram em confronto contra a polícia perto da cidade de Ica, no sul. “Isto não está acontecendo apenas aqui, está em todo o Peru”, disse um manifestante que não quis ser identificado.

Publicidade

Os protestos representam uma realidade dura para a presidência turbulenta do esquerdista Castillo, um ex-agricultor e professor que venceu as eleições no ano de 2021 com apoio esmagador da população rural pobre.

Porém, rapidamente sue apoio caiu, mesmo nas regiões rurais, e está em torno de 25% em todo o país hoje em dia. Nos seus oito meses no comando, Castillo sobreviveu a duas tentativas de impechment e precisou trocar de número sem precedentes de membros no ministério. Cada vez mais, os protesto estão se tornando mais violentos e pelo menos quatro pessoas já foram mortas, de acordo com o governo.