Ucrânia é vítima de um círculo vicioso da guerra

*Por Enrique Gomáriz Moraga – Sociólogo e Membro da Latinoamerica21

Ucrânia é vítima de um círculo vicioso da guerra
Pessoas olham para o exterior de um bloco residencial danificado atingido por um ataque de míssil em Kiev, Ucrânia (Crédito: Chris McGrath/ Getty Images)

Neste ponto do conflito, dois momentos devem ser distinguidos: antes e depois do que muitos chamam de conflito, até mesmo guerra, da Rússia contra a Ucrânia. A primeira é marcada pela responsabilidade dos diferentes atores quando se trata de evitar um confronto militar. E a atual, que parte da retumbante condenação da violação do direito internacional que a agressão de Moscou acarreta. A responsabilidade de promover a agressão militar contra a Ucrânia é do governo Putin. Mas há muitos outros países responsáveis ​​por não estabelecer condições para evitar a guerra.

Publicidade

A UE é responsável pela dissolução da clara distinção que existia na década de 1990 entre os interesses da própria UE e da OTAN em relação à segurança no continente. Reunião após reunião, essa distinção foi esmaecida, até que na reunião da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) em 19 de fevereiro em Munique, ficou claro que a identificação da UE com a OTAN está quase completa.

Isso determina um segundo fator, o ressurgimento do atlantismo ideológico na Europa e nos Estados Unidos. Os discursos dos representantes ocidentais refletem uma confiança excessiva no impedimento que a expansão da Aliança Atlântica representou nas duas décadas anteriores. Isso explica a arrogância demonstrada por seus líderes em rejeitar quaisquer objeções da Rússia de que essa expansão afetou sua segurança e que o caso da Ucrânia era um ponto sem volta.

Na verdade, parece que a OTAN e a UE agiram de propósito para aumentar o aborrecimento russo e, assim, fortalecer os argumentos do autocrata russo. O analista mexicano Carlos Taibo escreveu que Putin é em grande parte um produto da OTAN. Deve-se acrescentar que o esverdeamento da OTAN é em grande parte um produto da arrogância de Putin e que esse círculo vicioso infernal é o que deve ser quebrado para evitar uma escalada do conflito.

Isso leva à intervenção russa em 24 de fevereiro, que abre uma nova fase do conflito. A decisão de Putin é acompanhada de apoio institucional na Duma (Parlamento russo) e da maioria da opinião pública em seu país. Essa relativa força interna levou Putin a desconsiderar uma máxima reiterada: para defender as próprias causas em um confronto geopolítico há linhas vermelhas que não podem ser cruzadas. Ao realizar a agressão armada, o argumento de Moscou sobre a ameaça ocidental à sua própria segurança desaparece sob a condenação da comunidade internacional.

Publicidade

Com a agressão militar, Putin forneceu o desejado cenário político auto-anunciado pelos falcões da Aliança Europeia e Atlântica. Conseguiu fazer com que a OTAN e os Estados Unidos se declarassem verdadeiros oráculos das intenções finais de Putin, que os países da UE reduzissem significativamente suas diferenças (pelo menos em público) e que a ONU, cujo secretário-geral, Antonio Guterres, não você disse que tinha certeza de que nunca haveria uma guerra aberta, condenar sem tréguas o governo de Moscou. Em suma, com sua agressão, Putin perde muito de sua legitimidade dentro e fora de suas fronteiras.

Quais foram as razões pelas quais Putin escolheu levar a disputa geopolítica ao confronto armado?

Há razões militares que, aliás, incorporaram alguns cálculos errôneos. De fato, criou-se o mito, em grande parte graças à mídia ocidental, de que tudo o que está acontecendo responde exatamente aos planos traçados por um estrategista sinistro: Putin. Essa suposição está longe da realidade.

Como ex-chefe da KGB, Putin está ciente da importância de ter um plano, mas também da necessidade de se readaptar dependendo do contexto. Não é verdade que Putin tenha usado astutamente a opção diplomática do presidente Macron para camuflar sua verdadeira intenção de invadir a Ucrânia. Putin estava disposto a seguir qualquer caminho para impedir a entrada da Ucrânia na OTAN e forçá-la a manter relações estreitas com a Rússia. Mas a resposta ocidental a essas demandas foi uma rejeição retumbante.

Publicidade

Por outro lado, a opção militar não está se mostrando tão simples quanto se esperava. O cálculo do Kremlin de se impor rapidamente em todo o território das duas províncias, Donest e Lugansk, falhou. O governo ucraniano tem sido capaz de uma considerável concentração de forças naquela região, o que obrigou a Rússia a tentar evitá-la lançando ataques de dissuasão em outras partes do território ucraniano. Algo que ele faz na noite de 24 de fevereiro.

Ressalte-se que a Rússia não tem capacidade para considerar uma invasão territorial generalizada, pois estima-se que um milhão e meio de soldados seriam necessários para invadir um território do tamanho da Ucrânia. Portanto, com poucas exceções, os ataques se concentram em algumas cidades fronteiriças e na própria Kiev, que fica a apenas 60 quilômetros da fronteira com a Bielorrússia.

Vendo que não havia obstáculos no caminho para Kiev, Moscou cometeu outro erro de cálculo: pensar que a cidade cairia imediatamente e que poderia transformar o governo do presidente Zelensky em um alvo militar direto. Mas a tomada de Kiev e de seu distrito governamental, que estava prevista para acontecer na noite de sábado, 26 de fevereiro, não aconteceu porque a mobilização das forças armadas e milícias conseguiu a autodefesa da cidade. Pode ser que Kiev caia nos próximos dias, mas cada dia que passa é mais um passo para desencadear uma guerra de guerrilha no resto do país, algo que a Rússia quer evitar.

Publicidade

Um cenário atolado em uma guerra irregular que se estende ao longo do tempo é o que Moscou procura evitar. Entre outras razões porque, embora Putin hoje tenha o apoio majoritário dos atores políticos e da população russa, essa situação pode mudar rapidamente. Manter uma guerra aberta por muito tempo e sem o menor apoio político fora das fronteiras, somado às sanções econômicas ocidentais, pode lembrar à população russa o espectro do fracasso da guerra no Afeganistão.

Putin também pode estar errado sobre as consequências dessa provação militar na política interna de seu país. É por isso que ele acaba de abrir a porta para uma possível negociação de um cessar-fogo com as autoridades de Kiev. E se em princípio ele incitou os comandantes militares ucranianos a tomar o poder, a negociar com eles, isso parece estar se confundindo, entre outras razões porque depende muito da velocidade com que ele consegue capturar o presidente Zelensky e seu governo.

O conflito armado na Ucrânia, longe de terminar, pode estar apenas começando. Isso é algo que a Ucrânia sofrerá de qualquer forma, que é, em última análise, a verdadeira vítima desta guerra e do indesejável círculo vicioso que a precedeu.

Publicidade

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.