Assessor de Putin deixa cargo por discordar da guerra

Saída de Anatoly Chubais, que estava no governo russo há décadas, é a maior baixa para o Kremlin

Um dos principais assessores de Putin deixa cargo por discordar da guerra
Um dos maiores conselheiros e membro do governo russo há décadas, Anatoly Chubais (Créditos: Daniel Berehulak/Getty Images)

Um dos maiores conselheiros e membro do governo russo há décadas, Anatoly Chubais, renunciou seu cargo nesta quarta-feira (23) e deixou o país por não concordar com a guerra na Ucrânia, segundo fontes ouvidas pelas agências Reuters e Bloomberg. Esta seria a maior baixa para o Kremlin causada pelo conflito até o momento.

Publicidade

Chubais, que era o enviado especial para questões climáticas, foi um dos arquitetos das reformas econômicas pós-soviéticas e serviu como chefe de gabinete do ex-presidente Boris Yeltsin.

Seu nome foi colocado para a função, encarregado de “atingir metas de desenvolvimento sustentável”, em 2020, dias depois de deixar seu cargo de chefe da empresa estatal de tecnologia Rusano, que estava à frente desde 2008.

De acordo com as fontes ouvidas pela Reuters, ele não pretende voltar para a Rússia. Kremlin e Chubais ainda não se manifestaram oficialmente sobre o assunto. O ex-assessor do Kremlin, Arkadi Dvorkovitsh, na semana passada, também renunciou à direção de uma fundação econômica pública após criticar a ofensiva na Ucrânia.

Vladimir Putin, já criticou abertamente os russos pró-Ocidente, classificando-os como “traidores nacionais”. Em seu discurso exibido na televisão, ele afirmou que o russos “sempre serão capazes de distinguir verdadeiros patriotas dos que são escória e traidores e simplesmente os cuspirão como um mosquito que acidentalmente voou em suas bocas”.

Publicidade

Nesta quarta-feira (23), a guerra está completando seu 28º dia, com ataques e bombardeios na capital Kiev e pouca sinalização de que as negociações entre os dois países possam chegar a um consenso.

“O enviado climático russo, Anatoly Chubais, renunciou e abandonou o país em protesto contra a guerra do presidente Vladimir Putin na Ucrânia. É o funcionamento de mais alto nível em romper com o Kremlin pela invasão. @infobae”