Uma revolução para a esquerda

*Por Rodrigo Lloret

Uma revolução para a esquerda
O chileno Gabriel Boric pode promover novas mudanças na esquerda da América Latina (Crédito: Claudio Santana/ Getty Images)

“Digo-lhes para irem para casa com a alegria saudável da vitória alcançada.” Salvador Allende não conseguiu impor a revolução desarmada que havia proposto para o Chile, mas deixou sua marca. É que essas palavras, pronunciadas no final de 1970, quando o mítico líder do Partido Socialista ganhou uma eleição histórica, só agora voltaram a ser retomadas.

Publicidade

“Convido você, como você foi convidado há muitos anos, a voltar para casa com a alegria saudável da vitória alcançada”, disse Gabriel Boric no final do ano passado, quando em dezembro triunfou nas eleições que lhe permitiram tornar-se o novo presidente do Chile, que acaba de tomar posse esta semana.

A entrada no Palácio de la Moneda deste graduado em Ciências Jurídicas e Sociais, que com apenas 36 anos de idade, se tornou o presidente mais jovem da história chilena, promete mudar algumas das estruturas políticas e econômicas de seu país e também, quase sem querer, ameaça revolucionar a esquerda regional.

“Se o Chile foi o berço do neoliberalismo na América Latina, também será sua tumba”, repetia Boric durante a campanha eleitoral. Se ele conseguir, muitas coisas nascerão com seu governo.

“Se o Chile foi o berço do neoliberalismo na América Latina, também será sua tumba”

Publicidade

O ex-dirigente estudantil tem como referências políticas o fundador da Frente Ampla uruguaia José Mujica, o idealizador do PT brasileiro Lula da Silva e os armadores do espanhol Podemos, Pablo Iglesias e Íñigo Errejón. São nomes que mostram o tipo de liderança que Boric aspira encarnar.

Intelectualmente, ele se inspira em pensadores que mantêm um legado tradicional à esquerda, mas que também buscam inovar essas ideias. É o caso de Álvaro García Linera, sociólogo boliviano e ex-vice-presidente de seu país, e Chantal Mouffe, filósofa belga e viúva do argentino Ernesto Laclau.

Com a renovação proposta por Boric, a esquerda regional começa a se reformular. “A Venezuela é uma experiência que fracassou e a principal demonstração de seu fracasso são os seis milhões de venezuelanos na diáspora”, acusou recentemente o novo líder transandino. Nicolás Maduro, que não foi convidado para celebrar o início do governo de Boric, respondeu afirmando que o chileno representa “uma esquerda fracassada e covarde diante do imperialismo e das oligarquias”.

Publicidade

Por outro lado, durante sua campanha, o então candidato chileno pediu várias vezes a seus parceiros de aliança que “retirem” seu apoio ao nicaragüense Daniel Ortega e qualificou as eleições naquele país centro-americano como “fraudulentas”. “No nosso governo, o compromisso com a democracia e os direitos humanos será total, sem apoio de nenhum tipo para ditaduras e autocracias, não importa quem se incomode. A Nicarágua precisa de democracia, não de eleições fraudulentas ou perseguição de opositores”, disse. Ortega também não esteve em Santiago esta semana.

E, ao contrário das reflexões que ocorreram em muitos líderes da esquerda regional, e também no governo argentino, Boric não hesitou em se manifestar nestes dias contra Vladimir Putin. “Como futuro presidente do Chile, recomendo fortemente que você reserve nove minutos para assistir a este discurso do presidente Zelensky da Ucrânia ao povo da Rússia. Da América do Sul vai nosso abraço e solidariedade ao povo ucraniano diante da inaceitável guerra de agressão de Putin”, disse ele na semana passada.

A aparição de Boric no cenário político chileno rompe com um status quo evidenciado desde os anos 90, quando ocorreu o fim da ditadura. Desde então, dois grandes blocos políticos se alternaram no poder, lançando um olhar diferente sobre o passado recente do Chile, mas sem oferecer grandes disputas sobre o futuro daquele país.

Publicidade

De um lado, a aliança de centro-esquerda, representada pela Concertación, dos ex-presidentes Ricardo Lagos e Michelle Bachelet, e de outro, o bloco de centro-direita, liderado por Sebastián Piñera. Apesar de terem visões opostas sobre o pinochetismo, ambas as coalizões foram muito semelhantes em termos da ordem econômica que desenharam, algo que não mudou desde o retorno da democracia.

Boric discorda fortemente dessa alternância vazia e, portanto, é o rosto de uma transformação geracional que promete reformar várias estruturas chilenas. Seu espaço político, Aprovo a Dignidade, surge da união da Frente Ampla, formada por jovens lideranças formadas na esquerda universitária.

São líderes de esquerda que compartilham tradições ideológicas com seus antecessores, mas impulsionam uma agenda nova e diferente dos padrões tradicionais conhecidos durante a Guerra Fria, particularmente em relação à economia, direitos humanos, mudanças climáticas, feminismo e povos indígenas.

Publicidade

O governo chileno que acaba de começar propõe um modelo de Estado de bem-estar inspirado nos padrões europeus, que será sustentado por meio de um novo esquema baseado em dois pilares: uma ambiciosa reforma tributária, para arrecadar até 5% do PIB em quatro anos, e uma reforma plano de aposentadoria que substitui o atual sistema, de capitalização individual e herdado da ditadura.

Para se ter uma ideia do programa que Boric propõe, é importante olhar alguns dos nomes que ele escolheu para compor seu gabinete “jovem e feminino”: 14 dos 24 ministérios serão chefiados por mulheres e a média de idade dos funcionários tem 49 anos.

Os novos ministros que mais se destacaram são: Mario Marcel, ex-presidente do Banco Central e lutador ferrenho contra o déficit fiscal, à frente do Tesouro; Antonia Urrejola, ex-presidente da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e feroz crítica dos regimes da Venezuela, Nicarágua e Cuba, no Itamaraty; e Maya Fernández Allende, a nova ministra da Defesa, que comandará as Forças Armadas que derrubaram seu avô quando ela ainda não tinha dois anos.

Boric também encarna a irrupção que o Chile experimentou nos últimos dois anos, quando jovens, estudantes e trabalhadores de classe média inundaram as ruas de Santiago para exigir a transformação de um modelo econômico que vinha se desenvolvendo sem grandes mudanças desde os tempos de Augusto Pinochet.

Em A grande ruptura, entre política e sociedade, o sociólogo chileno Manuel Garretón alertou sobre esse fenômeno. Professor da Universidade do Chile, Garretón sustenta que o Chile vive uma crise de representação que os protestos revelaram, mas que o sistema político ainda não conseguiu processar em termos institucionais. Esse será o maior desafio de Boric.

E você já tomou nota dessa prioridade. “O país precisa crescer para compartilhar de forma justa os frutos desse crescimento – alertou em sua cerimônia de abertura – Porque quando não há distribuição de riqueza, quando a riqueza está concentrada em poucos, a paz é muito difícil. Precisamos redistribuir a riqueza que os homens e mulheres chilenos produzem”.

Em seu discurso de posse, ele também se esforçou para destacar a continuidade que representa com a esquerda tradicional: “Como Salvador Allende previu há cinquenta anos, aqui estamos novamente, compatriotas, abrindo as grandes avenidas por onde passam homens e mulheres livres para construir uma sociedade melhor. Nós continuamos”. Ao mesmo tempo em que teve tempo naquele primeiro pronunciamento como novo presidente, para marcar uma virada com alguns atuais líderes progressistas: “O Chile defenderá os direitos humanos independentemente da ideologia que os viole”.

Para se apresentar em suas redes sociais, o novo presidente escolheu uma frase de Albert Camus. A frase do filósofo francês serve também para sintetizar a nova hora que se inicia no Chile: “A dúvida deve seguir a convicção como uma sombra”.

Começa uma nova era para a esquerda: uma esquerda com convicções, que se permite duvidar.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.