Fale conosco

O que vc está procurando?

Economia

Economistas divulgam manifesto por vidas e pela economia do país

A lentidão no ritmo de imunização, a falta de ações mais enfáticas no enfrentamento à covid gerou uma mobilização de economistas, banqueiros e empresários

Manifesto por vidas e pela economia do país
Manifesto por vidas e pela economia do país (Crédito: Canva Fotos)

Por Lilian Coelho

Nesta terça-feira, 23, o Brasil atingiu mais um triste recorde: mais de três mil mortes em 24 horas. A lentidão no ritmo de imunização, a falta de ações mais enfáticas no enfrentamento à covid-19 gerou uma mobilização de economistas, banqueiros e empresários: uma carta, com mais de 500 assinaturas de importantes nomes do setor financeiro, cobra medidas do governo em relação à pandemia e que, consequentemente, traz reflexos na economia.  

Na carta, o grupo faz um diagnóstico da situação do Brasil no enfrentamento à covid e apresenta possíveis soluções para melhorar o cenário que hoje está posto definido pelos signatários como “desolador”.  

Os economistas defendem que o governo tenha coordenação à frente da pandemia. Eles afirmam que a postura de um líder que desdenha da ciência, defende tratamento sem eficácia comprovada e estimula aglomerações “reforça comportamentos irresponsáveis, aumenta os óbitos e aumenta os custos que o país incorre.”

Defendem que, na ausência do governo federal, governos estaduais possam comprar vacinas, adotar medidas para conter a doença, decretar lockdown e eventuais restrições. Pedem ainda que o governo federal deixe de agir contra o gestor que adotar estes tipos de ações.  

“Muitos estados não tiveram alternativa senão adotar medidas mais drásticas, como fechamento de todas as atividades não essenciais e o toque de recolher à noite. Os gestores estaduais e municipais têm enfrentado campanhas contrárias por parte do governo federal e dos seus apoiadores.” 

Quanto ao auxílio emergencial, afirmam que “há sólida evidência de que programas de amparo socioeconômico durante a pandemia aumentaram o respeito às regras de isolamento social dos beneficiários. É, portanto, não só mais justo como mais eficiente focalizar a assistência nas populações de baixa renda, que são mais expostas nas suas atividades de trabalho e mais vulneráveis financeiramente.  

Entre os que assinaram a carta estão os ex-ministros Maílson da Nóbrega e Joaquim Levy, além dos economistas Alexandre Schwartsman, Pedro Parente e Carlos Kawall.  

O manifesto não cita o nome do presidente Jair Bolsonaro. O link para adesão e assinaturas foi retirado do ar, depois de ultrapassar 1.500 nomes e, agora, será enviado aos líderes dos três Poderes.  

Em pronunciamento em cadeia nacional, na noite desta terça-feira, o presidente disse que “em nenhum momento o governo deixou de fazer o que era importante para salvar vidas e a economia.” E garantiu que, em 2021, todos os brasileiros estarão vacinados.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

Mais em Perfil

Últimas Notícias