Fale conosco

O que vc está procurando?

Esporte

Luciana confia em Olimpíada para coroar volta por cima na carreira

luciana-confia-em-olimpiada-para-coroar-volta-por-cima-na-carreira

Aos 33 anos, Luciana é uma das jogadoras mais experientes da seleção brasileira de futebol feminino reunida na Granja Comary, em Teresópolis (RJ). No currículo, estão participações em Copa América, Jogos Pan-Americanos e na Copa do Mundo de 2015. As grandes atuações pela Ferroviária, brilhando nas conquistas da Série A1 (primeira divisão) do Campeonato Brasileiro em 2019 e, mais recentemente, da Libertadores, colocaram a goleira novamente na mira da técnica Pia Sundhage para, quem sabe, chegar à primeira Olimpíada da carreira, em Tóquio (Japão).

“Vou dar o meu máximo, não só na seleção, mas no meu clube também, pois, jogando bem, somos observadas com afinco. A Pia ainda não definiu as goleiras, então, se a vaga estiver aberta, vou me esforçar para ficar entre as duas escolhidas para a Olimpíada”, disse Luciana em entrevista coletiva por videoconferência nesta terça-feira (6).

Apesar de Bárbara (Avaí/Kindermann) ser a goleira mais utilizada desde que Pia iniciou o trabalho na seleção, em agosto de 2019, a técnica testou nomes como Lelê (Benfica, de Portugal) e Aline Reis (Tenerife, da Espanha), além da própria Luciana. A camisa 1 da Ferroviária foi chamada para os amistosos contra o México, em dezembro de 2019, atuando na goleada por 4 a 0, em Araraquara (SP), e para um período de treinos na Granja Comary, em setembro do ano passado, que reuniu apenas jogadoras do Campeonato Brasileiro.

Ir a Tóquio consagraria a volta por cima na carreira de Luciana. Há seis anos, a goleira falhou no gol que decretou a derrota por 1 a 0 para a Austrália, que eliminou o Brasil nas oitavas de final da Copa do Mundo, disputada no Canadá. Em 2016, acabou fora das convocadas pelo então técnico Vadão para a Olimpíada do Rio de Janeiro. O peso das críticas fez a camisa 1 repensar a vida no futebol. A resposta foi dada em campo.

“Aquele ano foi muito difícil para mim. Depois daquele episódio, pensei em parar de jogar. Doeu muito. Mas trabalhei bastante e continuo trabalhando forte para jogar em alto nível, independente de estar convocada ou não. Consegui voltar para representar bem o Brasil e quem sabe ir a Tóquio”, destacou a goleira.

Nova geração

Se Luciana pode ter a última chance de disputar uma Olimpíada, Vic Albuquerque faz parte da nova geração do futebol feminino brasileiro. A atacante do Corinthians é observada não só pensando em Tóquio, mas também na Copa do Mundo de 2023, na Austrália e na Nova Zelândia, e nos Jogos de Paris (França), em 2024. Os torneios contemplam a duração do vínculo de Pia com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

vic, seleção feminina, treino
vic, seleção feminina, treino

Atacante Vic Albuquerque faz parte da nova geração do futebol feminino brasileiro – Thais Magalhães/CBF/Direitos Reservados

“Estou preparada e trabalhando muito para estar na equipe da próxima Olimpíada, mas tenho noção de que, pela minha idade, posso estar nos planos para o futuro e também fico muito feliz com isso. Independente de agora ou mais para frente, meu trabalho é permanecer aqui e trazer coisas boas para seleção”, afirmou Vic, de 23 anos, também em entrevista coletiva por videoconferência.

A corintiana não é a única da nova safra brasileira no grupo reunido na Granja Comary. A goleira Nicole (Napoli-SC), a zagueira Tainara (Palmeiras) e as meias Vanessinha (Cruzeiro), Jaqueline (São Paulo) e Julia Bianchi (Palmeiras) são outras jovens de, no máximo, 23 anos, presentes na convocação de Pia. Com a seleção feminina impossibilitada de realizar amistosos na Europa por conta do estágio da pandemia do novo coronavírus (covid-19), a treinadora priorizou atletas que atuam no Brasil para os treinos em Teresópolis. Somente a zagueira Rafaelle (Changchun, da China) e a meia Andressa Alves (Roma, da Itália) jogam no exterior entre as 26 jogadoras.

“A gente acompanha o futebol das meninas lá fora e tudo que elas têm entregado em campo. O futebol tem evoluído muito no Brasil, muitas atletas que estavam fora voltaram para cá, porque sabem dessa evolução. Elas [jogadoras do exterior] não estão neste momento por conta da pandemia, mas a gente se ajuda. Quando temos a oportunidade, nós aproveitamos. Quando elas têm, também aproveitam. É disso que se faz a seleção. Uma ajudando a outra para conseguirmos o maior objetivo, que é o ouro olímpico”, concluiu Vic.

(Agência Brasil)

Veja também

Brasil

Filho de Jair Bolsonaro já se pronunciou dizendo que passa bem e afirmou que informações relacionadas ao acidente são fakes; confira!

Brasil

Em março, a procura por notebooks, por exemplo, foi quase 20 vezes maior em relação ao mesmo mês de 2020

Brasil

A disputa pela liderança no combate à pandemia faz com que João Doria e Jair Bolsonaro sejam protagonistas de uma baixaria sem precedentes na...

Esporte

Equipe vai enfrentar o vencedor de Manchester City e Borussia Dortmund nas semifinais da competição