Fale conosco

O que vc está procurando?

Saúde

Conheça o “Fungo preto”, infecção que ataca pacientes de Covid-19 na Índia

Por falta de um medicamento, o país asiático levanta o alerta para casos dessa infecção em pacientes com coronavírus

Fungo preto a infecção que ataca pacientes de Covid-19 na Índia
(Crédito: Getty Images)

A Índia enfrenta a escassez de um medicamento para combater a mucormicose, popularmente chamada de “fungo preto”, uma infecção detectada em pacientes com Covid-19 e pessoas que se recuperaram da doença. As autoridades de saúde do país levantaram o alerta por causa da detecção constante e em inúmeros casos em vários estados, incluindo a capital, Nova Delhi.

Com um total de 25.496.330 casos confirmados e 283.248 mortes desde o início da pandemia, as autoridades sanitárias indianas estão preocupadas com o crescimento dos casos de mucormicose, popularmente conhecida como “fungo preto”, principalmente em pacientes com covid e recuperados.

O que é a mucormicose ou “fungo preto”

A doença é causada pelo mofo gerado em ambientes úmidos e ataca as vias respiratórias, particularmente nos sistemas imunológicos comprometidos.

No estado ocidental de Maharashtra, já morreram 90 pessoas, segundo o ministro da Saúde, Rajesh Tope. No entanto, a preocupação é latente porque o total de infectados chega a 800 pacientes, que também estão internados. Desde que começaram a acompanhar esses casos, as autoridades detectaram 2.000 infecções. “Agora estamos recebendo uma média de 100 casos por dia”, disse à CNN o Dr. Tatyarao Lahane, alto funcionário da saúde estatal.

Por sua vez, o estado de Rajasthan declarou o “fungo preto” uma epidemia e também uma “doença de notificação obrigatória”, característica que se dá às patologias que se tornam importantes porque atacam o sistema público de saúde.

Algo semelhante aconteceu nos estados de Haryana e Telangana, onde também foi declarada doença de notificação obrigatória a ser informada ao Ministério da Saúde do país. No caso de Haryana, foram confirmados um total de 115 casos, e em Telangana, pelo menos 150.

Em Nova Delhi, capital do país asiático, também ocorreram casos de mucormicose. “Cada dia de emergência temos em média 20 ou mais”, alertou com preocupação a chefe do Departamento de Neurologia do Instituto Indiano de Ciências Médicas da capital, Padma Srivastava. A especialista acrescentou que os pacientes infectados ficam em uma sala separada.

Falta de suprimentos na Índia

As autoridades sanitárias não previam o aumento dos casos de “fungo preto” e isso gerou escassez no início das detecções dos casos. A partir do conhecimento e do aumento do número de infectados, os suprimentos do medicamento antimicótico anfotericina B começaram a chegar ao estado de Maharashtra. Nesse sentido, o estado encomendou 100.000 frascos de anfotericina B na semana passada.

Em Gujarat, ao norte de Maharashtra, a Suprema Corte emitiu na segunda-feira um alerta sobre “o rápido aumento nos casos de infecção por um fungo preto carnívoro chamado ‘mucormicose’”. Além disso, acrescentaram que “a escassez de injeções que se administram para a referida doença e o custo de seu tratamento também são questões que merecem ser consideradas séria e imediatamente pelo Estado”.

Por outro lado, o governo do estado de Gujarat disse que emitiu ordens de compra para 100.000 frascos de injeções de anfotericina B lipossomal usadas para tratar a infecção.

O aumento nas encomendas do medicamento para tratar a infecção foi relatado na terça-feira em um comunicado do Ministério de Produtos Químicos e Fertilizantes. Além disso, explicaram que “o governo está empenhado em envidar todos os esforços possíveis e necessários para disponibilizá-lo aos pacientes que o precisem… espera-se que a escassez seja resolvida o mais rápido possível”.

Efeito em pacientes com COVID-19

Médicos e especialistas concordam que a mucormicose parece estar infectando pacientes com coronavírus que têm o sistema imunológico enfraquecido pelo vírus ou outros problemas de saúde subjacentes, como diabetes.

Os especialistas afirmam que a infecção é causada por um fungo chamado mucor, que se desenvolve em superfícies molhadas, disse o chefe da força-tarefa para a Covid-19 da Índia, VK Paul. “Se alguém tem uma doença ou toma medicamentos que suprimem o sistema imunológico ou fica exposto a superfícies úmidas, pode contrair a doença”, argumentou o especialista.

Nesse sentido, ele afirmou que os medicamentos usados para o coronavírus “inibem nosso sistema imunológico” e disse que “quando o paciente de Covid-19 recebe oxigênio, que vem com um umidificador com coleta de água, pode aumentar a tendência ao fungo”.

GI / FF

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.