Pré-candidata à presidência

“É hora de colocar um adulto na sala”, diz Tebet sobre polarização política

“É hora de lembrar que Presidência da República é lugar de coisa séria, de dar exemplo para esta e as próximas gerações”, diz Simone Tebet (MDB), que em entrevista exclusiva ao site Perfil Brasil, falou da luta para manter seu nome na disputa.

00-simone-tebet-coletiva
(Crédito: Divulgação)

Os desafios de ser mulher e ainda ter “a ousadia”, em um meio tipicamente masculino, de concorrer à Presidência da República. Esta é a luta da senadora Simone Tebet (MDB-MS), que esteve em nosso estúdio para uma entrevista exclusiva ao site Perfil Brasil. “É preciso matar um leão por dia. Mulher tem que passar pelo buraco da fechadura da porta e ainda provar que tem capacidade, mesmo com as mesmas qualificações de um homem”, afirma.

Publicidade

No início desta entrevista, lembrei nosso primeiro encontro (virtual), quando ela era uma combativa senadora na CPI da Pandemia, em 2021.  A atuação cirúrgica de Tebet nos questionamentos aos depoentes trouxe reviravoltas e descobertas importantes: Foi ao responder a um questionamento da senadora que o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) revelou à CPI que o presidente Jair Bolsonaro (PL) citou nominalmente o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), ao ouvir denúncias de irregularidades na compra da vacina Covaxin.

“Eu sofri misoginia! Outros atacavam as autoridades e eu que fui considerada desequilibrada por um ministro da Justiça… Outro, achou que tinha o direito de apontar o dedo pra mim… E, da forma como veio, levou“, lembra.

A senadora falou ainda dos desafios  dentro do próprio partido e da falta de apoio da chamada “ala lulista” da sigla. Vale lembrar que, na última segunda-feira (18), às vésperas da convenção que deve oficializar o nome de Tebet (27.07), representantes do MDB de 11 estados formalizaram apoio à candidatura do ex-presidente Lula (PT) – ainda no primeiro turno –  em reunião na zona sul de São Paulo. Caciques do partido defendem o desembarque da candidatura, caso ela não decole nas pesquisas. Tebet tem 1% das intenções de voto, segundo o último levantamento do Datafolha. Em rápida reação, dirigentes de 19 estados reiteraram, em nota, apoio à senadora. Texto assinado também pelo presidente do Partido, Baleia Rossi (SP).

“Convenção está chegando e eu até vi, e quero fazer uma justa homenagem, a um candidato à Presidência da República que disse exatamente isso quando foi perguntado sobre o MDB. Ele disse: ‘alguns falam que são contra o fascismo, mas não deixam de cometer um fascismo contra a pré-candidata Simone Tebet, impedindo e querendo boicotar a candidatura dela, mesmo internamente”, lembrou a senadora.

Publicidade

A fala foi de Ciro Gomes, candidato à presidência pelo PDT, que, junto com Tebet, viralizou nas redes sociais por um cumprimento amigável em encontro de adversários na Bahia, em meio à violência que tomou conta do cenário eleitoral deste ano.

Sobre essa polarização raivosa em torno dos nomes de Lula e Bolsonaro, ela é enfática: “É uma cortina de fumaça e um se alimenta da narrativa do outro pra tampar o sol com a peneira sem apresentar ao Brasil o programa de governo… Precisamos falar menos de Lula e Bolsonaro. Essa polarização de ódio está levando o Brasil para um abismo. Ninguém discute o problema da fome, da miséria, do desemprego, da desigualdade social, das crianças que na pandemia ficaram fora da sala de aula e estão com atraso na alfabetização, do desmonte da questão ambiental”, reflete Tebet.

Para a senadora, o Brasil precisa de maturidade e ponderação para enfrentar o momento atual: “É hora de colocar um adulto na sala. É isso que quero levar, inclusive, para os nossos debates. Quando estiver um se confrontando com o outro, quero lembrar que presidência é coisa séria, lugar de dar exemplo, lugar de ser referência”, afirma.

Publicidade

Confira a entrevista completa!

Publicidade