Negligência

Braço amputado: entenda as consequências em casos de erro médico

No Rio de Janeiro, uma jovem teve mão e punho amputados após buscar hospital para dar à luz.

Braço amputado: entenda consequências em casos de erro médico
Diante de um caso de erro médico ou hospitalar o Conselho Regional de Medicina deve ser acionado. (crédito: Sean Gallup/ Getty Images)

Uma jovem de 24 anos, teve a mão e o punho do braço esquerdo amputados, após procurar um hospital no Rio de Janeiro para dar à luz de seu filho. O caso, que é investigado pela Polícia Civil, repercutiu nas redes sociais e comoveu internautas que se mostraram indignados com a situação.

Publicidade

Semana passada, uma outra grávida, Kamily Priscila de 20 anos, morreu depois que um monitor cardíaco caiu na cabeça dela no caminho para um hospital de Uberaba, em Minas Gerais. A jovem estava grávida de sete meses e meio e precisou ir ao hospital após passar mal.

Diante de tantos erros médicos, que impactam e até tiram a vida de pacientes,  a reportagem foi atrás de especialistas para esclarecer quais são os direitos de pacientes afetados em casos de erros médicos.

Erro médico ou erro hospitalar?

De acordo com o Conselho Federal de Medicina, há diferenças entre ‘erro médico’ e ‘erro hospitalar’. A falha médica comumente é associada ao ato pessoal praticado pelo médico, ao passo que, a hospitalar dá responsabilidade para a prestação do serviço hospitalar como um todo, incluindo equipes de enfermagem e até mesmo administrativa.

O advogado, Matheus Girelli, especialista em Direito Civil da LBS Advogados, diz que se comprovada a existência de erro médico e o vínculo do profissional com o hospital, o paciente lesado pode pedir a responsabilização na justiça, solicitando indenização por danos morais e, ou danos estéticos, como foi o caso da paciente do Rio de Janeiro.

Publicidade

“É possível, inclusive, pleitear na ação judicial eventual pagamento de pensão mensal ou indenização pela amputação, caso fique demonstrado que a força de trabalho da paciente seja reduzida, ou até impossibilitada de retorno ao trabalho.” explica o advogado.

Gleice Kelly Gomes, deu entrada no Hospital da Mulher Intermédica de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio quando estava com 39 semanas. Assim que o bebê nasceu, os médicos identificaram uma hemorragia que foi tratada com a introdução de sonda intravenosa no braço esquerdo. No entanto, o mesmo começou a apresentar problemas e 17 dias depois precisou ser amputado.

Assim como no caso de Gleice, para conseguir comprovar a responsabilidade, o paciente deve solicitar o prontuário médico no hospital e, se possível, contratar um especialista médico para a elaboração de um laudo e utilizando e profissional até mesmo como assistente técnico para reforçar o erro cometido. “É importante destacar que em ações judiciais dessa temática, o paciente será submetido a perícia médica judicial, a fim de caracterizar a ocorrência, ou não, de erro médico.” destaca Girelli.

Publicidade

Outro conselho que o advogado dá é buscar também a responsabilização do médico na esfera administrativa, através de denúncia ao Conselho Regional de Medicina para apuração das condutas, e criminal, tanto pela lavratura de Boletim de Ocorrência em Delegacia Policial e também apresentar denúncia ao Ministério Público para responsabilização na esfera penal.

A família de Gleice Kelly, registrou um boletim de ocorrência e já entrou com uma ação judicial contra o hospital, que respondeu em nota estar apurando os fatos.

Violência Obstétrica?

Perguntamos à advogada, Amanda Cressoni, especialista em Direito Civil, também da LBS Advogados, se o caso da paciente que teve mão e punho amputados, também se enquadrava em violência obstétrica. Ela explica que violência obstétrica é caracterizada pela ofensa, física ou verbal, às mulheres gestantes, que estão em trabalho de parto ou no período de puerpério.

Publicidade

No caso em concreto, a vítima além de ter sido submetida a um tratamento excessivo, invasivo e doloroso, foi impedida de ficar com seu filho nos primeiros dias, de amamentar, de dar banho, o que caracteriza a violência obstétrica, podendo, portanto, denunciar os envolvidos também nesta categoria” enfatiza Cressoni.

Até o momento, a Polícia Civil do Rio de Janeiro, registrou o caso como lesão corporal culposa. “Testemunhas estão sendo ouvidas e os documentos médicos foram requisitados para ajudar a esclarecer o caso”, disse órgão.

A advogada acrescenta que caso qualquer paciente se sinta vítima de violência obstétrica, ela pode denunciar o profissional junto ao Hospital ou Clínica no qual foi atendida. Além disso, pode procurar canais específicos para estes casos, como discar ‘180’ para violência contra a mulher, o ‘136’ para denunciar perante o Sistema Único de Saúde (SUS). “Já em relação ao plano de saúde, em si, no 0800-701-9656, é possível também oficializar a reclamação perante a Agência Nacional de Saúde Suplementar” finaliza.

Publicidade

Siga a gente no Google Notícias

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber grátis o Menu Executivo Perfil Brasil, com todo conteúdo, análises e a cobertura mais completa.

Grátis em sua caixa de entrada. Pode cancelar quando quiser.