Moradia ilegal

Criança de três anos volta ao Brasil após morte da mãe em fronteira

Divorciada do pai da criança, a mulher começou a namorar um estrangeiro. E em maio deste ano, resolveu tentar entrar de forma ilegal nos Estados Unidos com a filha.

Criança de três anos volta ao Brasil após morte de sua mãe
Região de Tapachula, onde mãe de brasileira faleceu, é conhecida por conflitos entre imigrantes que tentam acessar a fronteira com os Estados Unidos (Crédito: Reprodução/ ImagenYuri)

Após a morte de sua mãe, que tentava entrar ilegalmente nos Estados Unidos, a criança de três anos foi encaminhada de volta ao Brasil. A menina foi entregue ao pai, que vive em Jacareí, SP, nesta sexta-feira (1). Segundo a Justiça, a garota é filha de um casal divorciado de haitianos. 

Publicidade

Divorciada do pai da criança, a mulher começou a namorar um estrangeiro. E em maio deste ano, resolveu tentar entrar de forma ilegal nos Estados Unidos com a filha. Eles chegaram até a fronteira entre a Colômbia e o Panamá, mas a mãe não resistiu e faleceu. Não há nenhuma informação sobre os detalhes de como ela teria morrido. A ação corre em segredo de Justiça. 

O homem seguiu caminho para o México junto com a enteada, e foram abrigados em uma instituição na cidade de Tapachula. No entanto, a família da falecida, que reside em Jacareí, entrou em contato com o Itamaraty, que junto ao Ministério Público entrou com o processo de guarda da criança para o pai. De acordo com a Justiça, o companheiro da mulher continuou no México por decisão própria. A criança chegou no Brasil na última sexta-feira (1) e já está com sua família de sangue. 

A quantidade de brasileiros que tentam entrar ilegalmente nos Estados Unidos alcançou 18 mil pessoas em 2019. A região de Tapachula, é famosa por por abrigar refugiados, que passam por ali tentando acessar a fronteira com o país norte-americano.

Cerca de 2.000 imigrantes, a maioria venezuelanos, deixaram a cidade de Tapachula, no sul do México, em massa, para pressionar as autoridades a permitir que eles continuem na fronteira com os EUA em um momento em que as atenções estão voltadas para a imigração”.

Publicidade

Publicidade