PRÉ-CANDIDATO DO NOVO

“Eleição não está no radar das pessoas, pois a preocupação é pagar boletos”, diz Felipe D’Avila

Em entrevista exclusiva ao Grupo Perfil Brasil, Felipe D’Avila pré-candidato à presidência pelo Novo, afirma que “agora, as pessoas estão preocupadas em sobreviver diante de uma inflação tão alta”.

Felipe D’Avila, candidato à presidência pelo NOVO. (Crédito: Divulgação)

Felipe D’Avila é empresário, cientista político e disputa pela primeira vez as eleições à presidência do Brasil pelo Novo. Ele conta hoje, segundo pesquisas, com 1% das intenções de voto e está otimista: “Esta era a mesma situação de Romeu Zema, quando entrou na disputa ao governo de Minas Gerais em 2018″, lembra.

Publicidade

Quando questionado sobre o que tem de diferente como propostas para o país, em relação ao ex-presidente Lula  e o atual mandatário, Jair Bolsonaro, ele explica que acha difícil imaginar que o eleitor pode votar em duas opções que já tiveram a chance de sentar na cadeira de presidente e ‘deixaram o país como está’.

“O Brasil voltou a ter o maior número de pessoas na pobreza: 33 milhões de pessoas passam fome. Como podemos achar que quem está no poder vai vencer eleição?“,  afirma. “O Brasil ficou pra trás, perdeu competitividade, mercado e não é capaz de competir na economia global”.

De acordo com o pré-candidato, vivemos uma fórmula atrasada: “Temos um Estado caro que atrapalha  avida dos brasileiros que querem trabalhar.”

Quanto às soluções para o país, ele afirma que passam pela privatização e Parcerias Público-Privadas, que cita como importantes para estimular a concorrência.

Publicidade

“Gosto de dar o exemplo de telefonia, quando era tudo controlado pelo Estado e caro, a ponto de ter que declarar no imposto de renda. Quanto mais concorrência, melhor a qualidade do serviço e do produto”, diz D’Avila.

Quando faz um balanço do Partido Novo, de 2018 até aqui, ele afirma que observa que o partido está amadurecendo: “Precisamos melhorar a nossa narrativa. Somos os maiores defensores dos brasileiros que pagam impostos e não somos o partido das elites. Precisamos melhorar a nossa capacidade de explicar às pessoas o que estamos fazendo para mudar a vida do povo para melhor.”

Confira a entrevista completa!

Publicidade

 

Publicidade