General Santos Cruz se filia ao Podemos ao lado de Moro

Santos Cruz disse que antes foi procurado por outros partidos, mas que optou pelo Podemos em virtude da filiação do ex-juiz Sérgio Moro

General Santos Cruz se filia ao Podemos ao lado de Moro
O general defende que uma das primeiras medidas do novo governo foi o fim da reeleição (Créditos: Marcos Corrêa/PR)

Nesta quinta-feira (25) o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, se filiou ao partido Podemos em uma cerimônia realizada em Brasília junto com o ex-juiz que hoje é do mesmo partido, Sérgio Moro.

Publicidade

Moro e Santos Cruz são ex-ministros do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que vem fazendo algumas críticas à sua gestão. O general defendeu a candidatura de Moro à presidência de 2022.

Moro disse que o general mostrou “desprendimento e caráter” ao sair do governo Bolsonaro “quando percebeu que o plano do governo não era construir um País melhor, mas sim seguir planos pessoais do governante”.

Santos Cruz comentou que antes foi procurado por outros partidos também, mas que optou pelo Podemos em virtude da filiação do ex-juiz Sérgio Moro.

Segundo o general seu ingresso na política foi “a única ferramenta para mudar a realidade, aquilo que se acha problemático para a sociedade”. Ele tem sua crítica de “extremismo” na política atual e que o Brasil deveria “repudiar o fanatismo que estamos assistindo”.

Publicidade

“O Brasil não pode continuar acreditando e procurando por um salvador da pátria”, disse o general, que em sua declaração preferiu não falar de nomes fora do Podemos.

Em seu discurso, Santos Cruz disse em uma lista que apresentou princípios, que vai seguir na política. Uma delas é uma campanha sem fake news. “Não podemos descer para uma campanha baseada em fanatismo, baseada em fake news. Respeito é fundamental entre todas as pessoas, instituições e funções”.

O general defende que uma das primeiras medidas do novo governo foi o fim da reeleição, onde disse que tem que ser liberal na economia, mas “apaixonado pelas causas sociais”. E criticou a “criminalização da política”.

Publicidade

“A política não pode ser criminalizada. É a única maneira que nós temos pra mudar a realidade, aquilo que se acha problemático. As soluções têm que aparecer dentro do processo político”, disse.

Carlos Alberto dos Santos Cruz, saiu da Secretaria de Governo depois de se envolver em conflitos com os filhos de Jair Bolsonaro. 

O general ocupou cargos no governo de Dilma Rousseff e Michel Temer. Como militar, foi o chefe da missão de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) no Haiti, de 2013 a 2015.

Publicidade

Segundo informações da CNN, o Podemos espera anunciar a filiação de Deltan Dallagnol, ex-coordenador da Operação Lava Jato no Ministério Público Federal, que saiu do MPF.

Publicidade