Integridade e anticorrupção

Iniciativa da ONU oferece curso de integridade e anticorrupção

Módulos serão oferecidos a empresas de pequeno e médio porte.

Iniciativa da ONU oferece curso de integridade e anticorrupção
(Créditos: Johannes Simon/Getty Images)

O Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU) no Brasil realiza amanhã (16) o primeiro módulo do curso Anticorrupção e Cadeia de Valor, voltado para empresas de pequeno e médio portes. Em formato online, o curso será realizado das 19h às 21h. Estão programados mais dois módulos, nos dias 18 e 23 deste mês, no mesmo horário.

Publicidade

O curso pretende oferecer um treinamento de integridade e anticorrupção, alinhado ao Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU número 16, que trata de instituições mais íntegras e transparentes. “O objetivo é, justamente, influenciar a nossa cadeia de valor, para que a gente possa aumentar a conscientização sobre os riscos e as mazelas de você fazer negócios que não são limpos”.

Segundo Juliana Breno, o objetivo é prático: “É demonstrar para essas empresas que elas não precisam ser empresas grandes, mas precisam ter esses princípios muito arraigados, e nós vamos mostrar como você consegue fazer isso de maneira simples”.

O módulo dessa terça-feira (16) vai tratar do tema Desmistificando o duo diligence. “É uma avaliação de risco reputacional, preventiva, para saber com quem a empresa está se relacionando”, disse Juliana destacando que o intuito é não é informar uma lista de coisas que a empresa deve fazer. “É uma espécie de diga-me com quem andas para ver se eu vou junto”, explicou, brincando.

Entre os instrutores, o curso contará com Márcio Campanelli, executivo de governança e compliance, consultor e membro independente de comitês da área; Renata Ferreira, engenheira de produção e gerente de Integridade Corporativa na Eletrobras; e Marcos Rossa, gerente de Compliance da Cushman & Wakefield para a América do Sul.

Publicidade

Próxima turma

Devido ao grande número de inscritos (744), a coordenadora do curso, Juliana Breno, disse que uma nova turma será aberta, no final de novembro. Para a nova turma, Juliana disse que o objetivo será sair um pouco do espectro anticorrupção e ter uma abordagem mais holística de ESG (governança ambiental, social e corporativa), ampliando o escopo para tratar também outros temas, como direitos humanos, impactos ambientais.

A meta inicial era atingir até 100 inscrições de pessoas/empresas. A primeira turma terá 100 empresas, com flexibilidade para mais 10%. Já a turma de novembro deverá ter entre 150 e 200 empresas participantes, prevê Juliana.

Para 2023, considerando a alta demanda, o intuito é fazer parceria com alguma universidade, disse Juliana, que é líder do projeto Cadeia de Valor do Pacto Global e Regional Compliance Officer da Schneider Electric para América do Sul

Publicidade

Transparência 100%

O Pacto Global é uma iniciativa voluntária. É uma chamada para as empresas alinharem suas estratégias e operações aos Dez Princípios universais nas áreas de direitos humanos, trabalho, meio ambiente e anticorrupção e desenvolverem ações que contribuam para o enfrentamento dos desafios da sociedade.

Entre as iniciativas do Pacto está o Movimento Transparência 100% cujo objetivo é encorajar e capacitar as empresas para ir além das obrigações legais, fortalecendo mecanismos de transparência e integridade em empresas de destaque para torna-las mais resilientes e exemplos de sucesso para as demais empresas do país.

As empresas que fazem parte do Pacto Global também são convidadas a aderir ao movimento e promover ações concretas. Para isso, elas assinam compromissos e têm metas a cumprir até 2030. De acordo com Juliana, os compromissos são adequados à realidade e capacidade de cada empresa.

Publicidade

“O conceito de integridade só faz sentido se ele for palpável e tangível para as empresas. Se tiver significado. Nós vamos convidar as empresas a aderirem ao movimento Transparência 100%.”

O curso Anticorrupção e Cadeia de Valor do Pacto Global da ONU no Brasil é realizado em parceria pela Schneider Electric, Eletrobras e Cushman.

Publicidade