chefe do pcc

Ladrões devolveram Pix a mulher ao descobrir que era esposa de Marcola; veja vídeo

Momento em que Cynthia Giglioli Herbas Camacho conta a história ao marido foi divulgado pelo Fantástico, na noite deste domingo (14).

ladroes-devolveram-pix-a-mulher-ao-descobrir-que-era-esposa-de-marcola-veja-video
Marcola durante conversa com sua esposa na penitenciária federal do DF (Créditos: Reprodução/TV Globo)

Ladrões teriam assaltado a esposa de Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, e devolvido dinheiro e celular da mulher após descobrirem que se tratava da companheira do líder da facção criminosa PCC. O momento em que Cynthia Giglioli Herbas Camacho conta a história ao marido, durante uma visita ao presídio em novembro do ano passado, foi divulgado pelo Fantástico, na noite deste domingo (14).

Publicidade

Durante a conversa, Cynthia diz que foi assaltada e Marcola logo pergunta onde ocorreu o crime. “Na marginal. Via expressa. Era trânsito, parou. Tomei um susto tão grande, demorei uns segundos para voltar ao normal”, responde a mulher.

No entanto, ela diz que logo em seguida os assaltantes tomaram uma atitude inusitada. “Aí devolveram, porque viram o meu nome, que era o seu nome. Cynthia Giglioli Herbas Camacho. Mandaram entregar lá no salão”, diz.

Marcola ri e comenta com a esposa que ele é muito conhecido naquela região.

Operação ‘Anjos da Guarda’

Na última semana, investigação conduzida pela Polícia Federal revelou que integrantes do PCC elaboraram ao menos três planos para resgatar líderes da facção presos nas penitenciárias federais de Brasília e Porto Velho (RO).

Publicidade

Conforme levantamento da PF, o primeiro plano, batizado de STF, consistia na invasão da penitenciária federal de Porto Velho. A facção já teria montado um arsenal milionário com armamento pesado para destruir os muros do complexo. O segundo, chamado de STJ, incluía o sequestro de autoridades para, em troca, exigir a libertação dos líderes.

Segundo as investigações, para viabilizar o plano, as lideranças criminosas fizeram uso de uma rede ilegal de comunicação por meio de advogados, que transmitiam e entregavam mensagens dos presos para criminosos fora da prisão envolvidos na tentativa de resgate e fuga. Pelo menos quatro defensores foram detidos.

Publicidade